Cuidado redobrado com os olhos no verão

Estamos no verão, o mais esperado dos últimos tempos – talvez o mais esperado de todos os tempos. Ele está diferente, agora com máscaras, álcool gel e distanciamento. Mas vai continuar tendo praia e, graças a Deus, muito sol. Por isso, é necessário redobrar os cuidados com os olhos.

Há inúmeros fatores de risco, como o próprio calor e o excesso de luminosidade. Além da exposição ao sol, o contato com o cloro e filtros solares pode ocasionar irritações e alergias. Piscinas usam produtos químicos para manter a água limpa, e as praias, além do sal, contêm impurezas que causam irritações, coceiras, olhos vermelhos e até conjuntivite.

Quais são as recomendações para evitar incômodos e garantir férias mais felizes aos habituais frequentadores das praias e piscinas? No caso das piscinas, a primeira providência é simples: lavar o rosto repetidas vezes para retirar o excesso de cloro.

Com esse cuidado, evita-se a irritação e a vermelhidão na região dos olhos. O cloro também piora os sintomas da chamada “Síndrome do Olho Seco”, que consiste na deficiência da lubrificação ocular. O problema pode ser agravado pela exposição excessiva ao vento e ao ar condicionado.

Chapéus, bonés e óculos adequados são essenciais para proteção. Os óculos de natação precisam ser lavados com água fresca após o uso. Outra recomendação é sobre o filtro solar: ao aplicá-lo no rosto, deve-se tomar o cuidado de passar acima da sobrancelha. Ela é uma proteção para evitar que o suor caia nos olhos, provocando irritações e desconforto.

Apenas nos casos de pequenas irritações é recomendável usar colírios lubrificantes. Se o problema persistir, é importante consultar um oftalmologista para a correta prescrição médica.

A propósito, como médica, sinto-me na obrigação de ressaltar: nas piscinas, nas praias ou em qualquer outro lugar, nunca é demais respeitar o distanciamento social e todos os demais protocolos de segurança. O verão chegou, mas a pandemia ainda está aí – e já matou mais de 200 mil brasileiros.

Não há nada que se possa fazer para recuperar as vidas perdidas, mas provavelmente podemos – se cada um fizer a sua parte – preservar milhares de vidas, inclusive as de nossos familiares e amigos. É melhor pecar pelo excesso de zelo do que pela falta dele.

Assim, será possível curtir a vida e o verão com tudo o que eles têm de bom.

+

Artigos

Artigo

Sabido e ressabido que “todo poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou ...

Artigo

As velhas tragédias gregas já nos ensinaram que são poucas as coisas que de fato movem a humanidade: ...

Artigo

​A infraestrutura é aliada incondicional do desenvolvimento econômico e social. A afirmação é irrefu ...