Doutor Lobato

O Brasil e o mundo, que estão a enfrentar uma terrível pandemia com sombrios horizontes, perderam um dos expoentes da saúde e da medicina: o professor Isaac Lobato Filho, que partiu ontem, 16 de setembro. A sua morte, aos 96 anos, deixa um clarão que nunca pode ser preenchido.

Mas, ficam a lição e a inspiração do seu rico legado como um luminoso exemplo. Nascido em São Bento, nos vastos campos da Baixada Maranhense, Isaac consagrou-se como grande e inovador cirurgião cardíaco.

A sua mente vibrante e privilegiada foi uma usina criadora de grandes inovações no campo da ciência médica. Conta-nos o doutor Saul Linhares, seu admirável aluno, que o médico Lobato com o seu bisturi mágico realizou a primeira cirurgia cardíaca sem circulação e extracorpórea em 1960, e a primeira com extracorpórea em 1963. Foi fundador da Faculdade de Medicina da UFSC, em 1960, do Instituto de Cardiologia do Estado, em 1964.

Doutor Lobato deixou também a marca do seu talento como professor titular de cirurgia torácica da UFSC e de membro emérito da Academia Catarinense de Medicina. Era um cavalheiro de trato suave e gentil, que conhecia como poucos o prazer da fala e da vida; tinha o sorriso aberto e o olhar luminoso.

Ao recordar-me do doutor Lobato, veio-me à memória um episódio existencial de Beethoven que, num momento de inspiração, interrompeu a aula de piano que estava ministrando e, sem maiores explicações, saiu de noite a passear pelo campo.

Regressando, escreveu de corrido a “Sonata ao Luar”, nome popular que foi dado à “Sonata quase fantasia” e do qual Beethoven não gostava. Numa recepção posterior interpretou a composição. Quando acabou, aproximou-se uma dama e lhe perguntou: “Maestro, qual é o significado dessa peça tão maravilhosa”? O músico olhou-a com certo desprezo e respondeu: “Minha senhora, o significado é este”. E, sentando-se ao piano interpretou a “Sonata ao Luar” completa, nos seus três movimentos, levantou-se e foi embora. Algo de equilíbrio racional procurava a boa senhora, e encontrou por resposta a harmonia genial do compositor.

A inspiração do médico provirá muitas vezes da corda da compaixão que vibra com facilidade num coração disposto a ajudar. Essa será a nota que dará a tonalidade para o desenvolvimento posterior da sua atuação, para os acordes harmônicos do raciocínio clínico.

Doutor Lobato soube compor, com divina harmonia, a verdade da ciência e os valores do humanismo. Ao vê-lo nas minhas lembranças, um verso de Fernando Pessoa aloja-se no meu espírito: “Não reparamos que éramos um só, que cada um de nós era uma ilusão do outro, e cada um dentro de si, e mero eco do seu próprio ser.”

O meu ilustre conterrâneo e estimado amigo, doutor Lobato, como Paulo de Tarso a Timóteo, tinha consciência de que combateu o bom combate guardou a fé.

É com o sentimento de que o doutor Isaac Lobato continuará a ser uma fonte de perene inspiração e um paradigma de médico, professor e gestor que lhe reverencio com minha homenagem, com a consciência de que seu legado é motivo de orgulho para todos os maranhenses e catarinenses.

+

Artigos

Artigo

Sabido e ressabido que “todo poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou ...

Artigo

As velhas tragédias gregas já nos ensinaram que são poucas as coisas que de fato movem a humanidade: ...

Artigo

​A infraestrutura é aliada incondicional do desenvolvimento econômico e social. A afirmação é irrefu ...