Histórias de Famílias e a Identidade Catarinense

​Quem chega à Santa Catarina é confrontado com a força da ancestralidade e do legado cultural de povos de todas as geografias que fizeram deste solo de acolhimento a sua terra de pertença.

Expressões de vida, conhecimentos e tradições transmitidas por gerações são fontes de identidade. Revelam o patrimônio cultural da nossa gente, a memória familiar salvaguardada em cada região no jeito catarinense de ser.

Ainda ontem celebramos o Natal com os usos e costumes das nossas famílias e não tem como não voltar ao tempo e recordar o vivido que chega embalado em doces lembranças como o aroma de pêssego em calda, presente da amiga Dorotéia, as célebres tortas de chocolate da “Dona Muchi”, hoje feitas por sua neta, ou, ainda, os deliciosos honigbrot da Fluss Haus, tradição germânica de São Martinho.

O verdadeiro encanto da cultura dos catarinenses está na identidade pessoal e coletiva, na sua essência, no entrelaçar de famílias, nas suas histórias ancestralmente plantadas e que deram bons frutos. Nos últimos anos têm sido recorrente a viva manifestação literária de homenagem e reconhecimento às histórias de famílias.

Esse inquestionável patrimônio cultural, “território do coração”, documentado e registrado com afetuoso cuidado por descendentes, dando um tratamento literário de caráter transnacional. Tenho muitos livros que falam de histórias de famílias e biografias.

Uma mundividência profundamente identitária de muitas realidades que a literatura permite conhecer. Cito alguns: “ Nur na escuridão”, de Salim Miguel, romance autobiográfico calcado na sua memória e da família de imigrantes libaneses; “Viagem Interrompida”, de Humberto Grillo, inspirada na saga das famílias Longo e Grillo; “ Entrelaços” de Mitsi Westphal Taylor , sobre as famílias Sell, Schlemper e Westphal; “Spoganicz, – Poloneses em Pinheiral”, pesquisa de Érico Spoganicz ; “Dois Galegos nas Encostas da Serra Geral, a História”, estudo de Celso de Oliveira Souza e, muito recentemente, “Dirigindo o próprio Destino” de Nelson Füchter Filho a palavra amorosa do neto sobre o avô Pedro e a vida dos imigrantes Füchter em São Ludgero.​

Quantas histórias têm por aí e tão pouco sabemos! O leitor deve estar pensando nas memórias de sua família contados e recontadas anos a fio. Pois, conte a sua…
​Era uma vez…

+

Artigos

Artigo

Sabido e ressabido que “todo poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou ...