O exercício da política

Vivemos tempos diferentes. Vivenciamos hoje desafios para os quais nunca nos preparamos. Sustenta-nos a crença na democracia e na importância do Poder Legislativo para a sociedade. O exercício democrático nos anima na construção de um Parlamento plural e participativo.

É este Parlamento que tem dado à Santa Catarina contribuição essencial para a superação de tantos desafios. São dificuldades que extrapolam as questões sanitárias. Vivemos, também, turbulência política em todo o país. Felizmente ela advém do sistema democrático que rege nossa vida em sociedade.

Essas turbulências, em grande parte, se originaram nas eleições de 2018, quando o bordão de campanha que cunhou a expressão “Nova Política” permeou o eleitorado e deu a vitória àqueles que empunharam esta bandeira. Claro que esse não foi o único trunfo dos vitoriosos.

Fui dos primeiros a contestar a separação entre “Nova e Velha Política”, logo no meu discurso de posse como presidente da Assembleia.

Tinha convicção do que defendia, como tenho hoje, e preocupava-me que esse “bordão” tivesse vida longa. Porém, bastaram pouco mais de 12 meses para que, numa leitura madura e lúcida, o jornalista Upiara Boschi sepultasse de vez a expressão  cunhada pelos que chegaram ao poder.

Na análise publicada há cerca de quinze dias ele enfatiza a “necessidade de desestigmatizar a palavra (política)” e resgatar o seu verdadeiro sentido. Citando o Houaiss, destaca entre várias definições de  Política, a principal: “Arte ou ciência de governar”. Mas registra ainda a “habilidade no relacionar-se com os outros tendo em vista a obtenção dos resultados desejados”.

Com muita propriedade, o colunista adverte: “Ela precisa ser dissociada de sua variação nefasta – a politicagem”. E prevê que esta é tarefa para uma geração. Acredito que podemos cumpri-la em menor tempo, se começarmos já a desempenhá-la. É nas crises que surgem as oportunidades. Não podemos perdê-las.

A política, adicionalmente à definição do dicionário, comporta outras abordagens. Agrada-me a que diz: “Política é a arte de fazer o bem”. Às causas, às instituições, às pessoas, de modo especial àquelas que mais precisam das ações políticas. Não à politicagem. Sim à Política. Nem nova, nem velha. À Política.

+

Artigos