O ofuscamento no trânsito

Estamos na Semana do Trânsito. Em todo o país estão sendo realizadas ações para alertar motoristas, passageiros, motociclistas, ciclistas ou pedestres quanto aos cuidados fundamentais na mobilidade. Venho aqui fazer um alerta sobre a luz, fator absoluto de segurança.

O olho humano coleta os raios de luz emitidos ou refletidos por objetos no ambiente e os focaliza sobre a retina (nervo óptico, cérebro), para formar imagens. Se tivéssemos as melhores estradas e rodovias do mundo, os melhores carros, a exemplo de alguns países desenvolvidos, mesmo assim, teríamos acidentes, pois o fator humano deixa a desejar na prevenção.

Pesquisas realizadas no Velho Continente indicam que o maior número de acidentes ocorre nas cidades, porém os acidentes fatais se dão nas autoestradas e no período noturno, com apenas 25% do tráfego.

Toda tecnologia de ponta no setor automobilístico projeta os faróis de acordo com o carro: ainda assim, pessoas desinformadas instalam luzes ofuscantes e trafegam com faróis desajustados, causando um incômodo a mais no trânsito.

A seguir, alguns dados para reflexão: a 100 km/h, quem está no volante tem um ângulo de visão restrito a 40 graus; uma simples sonolência de dois segundos em um veículo a 130 km/h leva o motorista a percorrer a estrada sem controle por 72 metros; a vista humana leva até sete segundos para recuperar o efeito do ofuscamento causado pela luz de um farol.

Portanto, faz-se necessária a iluminação das ruas, avenidas, rodovias e túneis com todo o cuidado. Quanto ao túnel longo, o projeto deverá evitar grande contraste de iluminação na sua entrada (buraco negro), e manter uniformidade em todo seu interior, evitando assim o “efeito zebra”, que pode causar distúrbios neurológicos em pessoas predispostas.

Caso você ofusque alguém no trânsito e o outro revide, serão dois motoristas ofuscados aumentando em progressão geométrica a possibilidade de um acidente fatal.

Somos dotados de cérebro, único órgão consciente da sua própria existência. Portanto, vale a recomendação: prudência nunca é demais na condução de um veículo, pois o objetivo maior é chegar ao destino sem surpresas para a integridade da vida.