Prioridade negligenciada

Contava o deputado Affonso Ghizzo que, numa audiência havida com o governador Jorge Lacerda, apresentara uma lista de reivindicações colhidas em sua região eleitoral, no Sul Catarinense que, sem hesitar o governador aprovara todos os pedidos, inclusive algumas nomeações.

Lacerda rejeitava negar pedidos, quando relacionados com benefícios a pessoas. Para ele, tudo era prioridade.

Ato contínuo , deu-se o inesperado diálogo:” – Satisfeito, Affonso?
– Não, responde Ghizzo.
– Mas como se aprovei tudo que foi pedido?
– Por isso mesmo, responde o deputado. Suponho não existir dinheiro no tesouro para levar tudo de uma só vez. Entretanto, tenho prioridades inadiáveis. “Foi realista e obteve a verba.

Essa história motivou uma associação de ideias, ao ler o oportuno artigo do jornalista Laudelino Sardá, no ND do dia 02 de agosto, versando sobre o vasto e prioritário problema do lixo quando não tratado com o devido acerto. Lixões a céu aberto evidenciam ostensiva agressão ao ambiente natural.

Uma agressão à natureza é mais grave do que uma agressão ao ser humano . Porque o ser humano é tão somente parte componente da natureza. E, à parte, jamais será mais importante que o todo. Sem natureza não haverá humanos. Sem humanos a natureza ver-se-á livre do seu maior predador.

Quanto ao lixo, causador da poluição, ocupa lugar entre os maiores problemas do planeta, já que, de todos, o maior é a Explosão Demográfica que vem ocorrendo em várias regiões do globo terrestre, em desrespeito à pegada ecológica.

A solução para o problema do lixo está na construção de usinas de Tratamento do Lixo, implantadas nas comunidades onde é produzido ( tema que estamos a desenvolver).

+

Artigos

Artigo

Sabido e ressabido que “todo poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou ...