Rodrigo do Nascimento, nosso campeão em Tóquio

Os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, após tantas incertezas, ocorrerão finalmente com um ano de atraso, em meio a muita preocupação devido à pandemia da Covid-19 e com pouquíssimo público.

Inspirados nos Jogos Olímpicos da Grécia Antiga os da era moderna foram retomados em 1896 com o intuito de permitir o congraçamento entre os atletas e povos do mundo inteiro, não importando a origem ou classe social, religião ou cor da pele.

O lema pode ser resumido no slogan “competir para vencer, sim, subjugar jamais!”. O atletismo, por sua vez, é a modalidade esportiva mais antiga e, por isso mesmo, a sua beleza está na simplicidade dos equipamentos necessários à sua prática. Por isso mesmo é o esporte de base desde a origem dos Jogos Olímpicos.

Foi com enorme alegria que li, na edição do ND+, a bela reportagem sobre o nosso campeão de Itajaí, Rodrigo do Nascimento, que disputará, em Tóquio, duas provas do atletismo: a individual dos 100 metros e a de revezamento dos 4×100 metros, em equipe. É este tipo de notícia que nos traz esperança em meio a esta pandemia que ainda nos impõe restrições e cuidados.

Participar dos Jogos Olímpicos é a meta de todo atleta. Para chegar lá foram 12 anos, desde os 14 anos de idade, de muito esforço, treinamento diário e superação de um campeão.

Por trás desse feito, estiveram professores de educação física e técnicos que viram no menino pré-adolescente, ainda morando em Itajaí, um provável futuro campeão.

Sim, graças àquele olhar técnico, o rapaz que chegou a pensar em ser jogador de futebol, mas que corria mais rápido do que a bola, como disse sua mãe, a senhora Rosângela Pereira, entrou para as pistas do atletismo, tornando-se o velocista de Itajaí que representará o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Graças aos Programa de Bolsa Atleta e Programa de Atletas de Alto Rendimento das Forças Armadas temos a oportunidade de ver alguns de nosso campeões participando dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Educação e Esporte, não apenas o de alto nível, devem ser incentivados em todas as esferas de governo.

E tomara que mais empresas se interessem por apoiar nossos grandes talentos, para termos outros Rodrigo(s) conquistando medalhas para o Brasil. Parabéns Rodrigo, já és um vencedor! Boa sorte, que tragas mais medalhas!

+

Artigos