Setembro Amarelo – compromisso com a vida

Existir é um desafio diário, permeado de angústias, incertezas, obstáculos. Esse processo de construção do próprio Ser, que se dá no mundo, é por vezes trágico e causa dor. Nem sempre conseguimos encontrar formas de lidar adequadamente com esses desafios e nos imaginamos sem saída.

A Organização Pan-Americana da Saúde – OPAS informa que o enfrentamento de conflitos, desastres, violência, abusos ou perdas e um senso de isolamento estão fortemente associados com o comportamento suicida. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, uma pessoa morre por suicídio a cada 40 segundos.

A experiência do sofrimento é individual, mas o enfrentamento dele não precisa ser. Mesmo com a ampliação dos desafios da existência no contexto de pandemia e distanciamento social que vivenciamos, é preciso recordar que não estamos sós, apesar de distantes.

Nos momentos de aflição e angústia, que são experimentados por todos, em especial no atual contexto social, é preciso buscar a proximidade virtual com família, amigos e a ajuda profissional adequada.

Com o objetivo de falar sobre saúde mental, considerando que é preciso conhecer para prevenir, o Ministério Público de Santa Catarina, desde o ano de 2015, é parceiro nas ações do Setembro Amarelo, de iniciativa da Associação Brasileira de Psiquiatria e do Conselho Federal de Medicina.

Estudos apontam que a maioria dos suicídios poderia ser evitada com o diálogo aberto sobre os problemas, com a busca de ajuda de quem está próximo e com apoio especializado. A falta de informação e o preconceito ainda são grandes obstáculos nesse sentido, que precisam ser superados.

Tão importante quanto falar sobre o problema é fortalecer a política pública de promoção da saúde mental. O direito social à saúde, previsto no art. 6º da Constituição Federal e cujo acesso universal e igualitário está garantido em seu art. 196, inclui os atendimentos de saúde mental, motivo pelo qual o Ministério Público vem trabalhando em prol da estruturação das Redes de Atenção Psicossocial dos municípios catarinenses.

Assim como o enfrentamento à pandemia, a prevenção ao suicídio exige um compromisso coletivo, e neste caso constante, de cuidado consigo e com o outro. Que setembro sirva para renovar esse compromisso em prol da vida.

+

Artigos