Telhas quebradas

O Brasil é nossa casa. E esta casa está com o telhado avariado. Não pensamos em consertá-lo, a não ser quando chove. A cada dia compramos mais baldes, porque não temos verba para o conserto.

Baldes se acumulam pela casa, dificultando a locomoção. Móveis já foram tirados do lugar, alguns jogados fora, perdidos por uma chuva torrencial e imprevista.

O piso também apresenta avarias e até uma parede, agora, dá sinais da ação da água. Por que não nos planejamos? Ao primeiro sinal de goteira, poderíamos ter consertado o telhado.

Fomos deixando as coisas correrem, e a cada chuva novas goteiras apareciam e corríamos para comprar mais um balde, para substituir as panelas usadas em emergências. Acontece que agora veio a maior chuva de todas, aquela que nunca antes houvera, a imprevisível e devastadora pandemia.

E, encontrando os furos do nosso telhado, da nossa imprevidência, do nosso descuido, da nossa procrastinação, da nossa covardia, a pandêmica chuva inundou a casa, e já não há baldes que resolvam, porque a água desta vez é pestilenta e faz adoecer – e, por vezes, morrer – os moradores da casa.

A quem cabia a responsabilidade da manutenção do telhado? – perguntam todos, acusando-se mutuamente.. Subir no telhado e consertá-lo é a emergência que se impõe. E terá de ser feito durante a chuvarada.

Não é hora de procurar culpados, mas sempre é hora de assumir responsabilidades. Logo teremos eleições municipais. É na cidade que moramos, é na cidade que nossos problemas mais comezinhos começam e podem ser solucionados. É na cidade que a primeira telha se quebra, e exige conserto imediato para que o telhado do país não se transforme numa peneira.

O imenso telhado que cobre o Brasil é composto de cada telhado que nos cobre individualmente. Se vamos passar procuração, conceder mandato, que seja para analisar situações, detectar problemas, encontrar soluções e implantá-las. Que seja para trabalhar com afinco, lisura e responsabilidade, nada menos. É o que merecemos. Mas não será comprando mais baldes que conseguiremos.

0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

+ Artigos