Tirar a BR-470 da UTI

​A infraestrutura é aliada incondicional do desenvolvimento econômico e social. A afirmação é irrefutável e a cada dia mais percebida pelos cidadãos do Vale Europeu, ansiosos pelo prosseguimento das obras de duplicação entre Navegantes-Indaial.

O que é óbvio se torna indesmentível diante dos números. Trabalho do setor de economia e estatísticas da Fecomércio/SC estampa que o crescimento do PIB per capita nos municípios lindeiros a BR-101 está 3% acima daqueles situados ao longo da BR-470, o que também se reflete em indicadores como estoque e movimento de empregos e geração de impostos.

Estamos a pouco menos de duas décadas desde a completa duplicação da BR 101 em Santa Catarina – e os resultados são visíveis. Seguramente, não teríamos grandes empresas como a BMW, GM e Cebrace no eixo norte, que geraram impacto positivo num amplo entorno, com negócios de pequeno e micro porte. O turismo não teria avançado na proporção que se registra, em especial em destinos como Balneário Camboriú e Penha.

No sul, observamos um florescer de oportunidades e equipamentos, desde as facilidades de acesso ao porto de Imbituba, a implantação do aeroporto de Jaguaruna até o surgimento do turismo em cidades nas proximidades dos cânions do Itaimbezinho – além de uma sensível melhoria no fluxo de turistas gaúchos e argentinos para o nosso litoral. Em ambos os casos, a redução de mortos e feridos em acidentes já seria o bastante para justificar os investimentos.

O Vale Europeu não merece o desdém histórico que tem recebido dos sucessivos governos federais, como recíproca de uma milionária arrecadação de tributos. A região tem o maior adensamento demográfico do estado, uma mão de obra exemplar e um potencial para crescer superior a qualquer expectativa estadual ou nacional.

Todavia, a conclusão da BR-470 se sobrepõe a interesses regionais, pois trata-se de uma rodovia que integra territórios de alta produção, de um corredor de exportação e de deslocamentos de milhares de profissionais e turistas em viagens de médio e longo percurso.

O trecho entre Navegantes e Indaial é um gargalo histórico e dramático, é a nossa infraestrutura rodoviária na UTI. Ainda precisaremos nos empenhar muito para que a duplicação chegue até o trevo de Campos Novos, onde a BR-470 encontra a BR-282 e proporcione segurança aos usuários e qualidade de vida aos que vivem às suas margens.

+

Artigos