“Pode chegar, meu nêgo!”