A esperança do comércio

A proximidade com a Páscoa neste momento em que infelizmente não é mentira do dia informar que o mês de março se despediu ontem sem deixar nenhuma saudade – ele é considerado o mais letal desde que a pandemia se instalou no Brasil há pouco mais de um ano – traz boa expectativa em torno da data que traz as mais doces memórias.

E o que se espera é este renascimento que a Páscoa representa. O vírus pode nos tirar do sossego, da rotina, tirar pessoas queridas, mas não pode tirar a disposição de lutar e a alegria. E boa expectativa é o que o fim de semana prolongado que inicia amanhã está trazendo para alguns segmentos comerciais, em especial o de chocolates, doces e guloseimas, e o de pescados.

O consumo de ovos de chocolate, doces e guloseimas em alusão à Páscoa traz novo ânimo para os comerciantes que foram afetados pela pandemia. E revela ligeira mudança no comportamento do consumidor. Com as grandes marcas tradicionais focando mais nos brinquedos e personagens que conquistam as crianças, os consumidores resolveram direcionar suas atenções para os produtos caseiros e artesanais.

Este comportamento se revela em pesquisa realizada pela Fecomércio SC (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), que indica crescimento de 11% da demanda por chocolates artesanais em relação ao ano passado, atingindo 20,3% da intenção de compra dos catarinenses nesta Páscoa.

Os ovos de Páscoa artesanais chegam a 17% da intenção de compras, com aumento de 3,7%.Outra pesquisa, da FCDL/SC (Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas), aponta que 40,9% dos lojistas acreditam que as vendas deste ano serão superiores às do ano passado. Diante deste cenário, pequenas fábricas e autônomos se lançam à produção com excelentes expectativas.

São histórias de superação, de empreendedorismo e de otimismo que merecem ser apoiadas. Além dos chocolates, o movimento em busca de peixes, camarões, bacalhaus e frutos do mar também está intenso. O otimismo é generalizado depois de os comerciantes terem enfrentado a Páscoa do ano passado em meio as primeiras restrições de horários. No Mercado Público da Capital, o otimismo aumenta proporcionalmente ao movimento. Mas, como nunca é demais alertar.

Se puder sair, vá às compras. Prestigie o comércio local, valorize o trabalho alheio, mas não esqueça de respeitar as medidas de distanciamento determinadas no Estado, assim como não esqueça o kit de acessórios básicos: um frasco de álcool em gel e a máscara.

+

Editoriais