A insanidade coloca Saudades no mapa

Formada como um povoado há cerca de 90 anos e elevada a município há quase 60 anos, a pacata cidade de Saudades, no Oeste catarinense, perdeu definitivamente e de forma abrupta, na manhã de ontem, a sua inocência.

Da forma mais ingrata que se possa imaginar, de repente os seus quase 10 mil habitantes viram a porção de terra que é apenas um pontinho no mapa de Santa Catarina entrar definitivamente para o mapa mundi. Se até ontem nem todos os catarinenses sabiam onde ficava Saudades, hoje todo o mundo sabe.

E que trágica coincidência que seu nome seja hoje a palavra mais perfeita para simbolizá-la depois do momento de insanidade protagonizado por um jovem e tímido morador, um estudante de ensino médio de 18 anos, que do alto de sua maldade invadiu uma escolinha com o único objetivo de ceifar vidas, deixando um rastro de sangue e de saudades.

Saudades das vítimas, saudades da calma que pairava sobre comunidade tranquila e ordeira, orgulhosa de suas raízes italianas e alemã, saudades das vidas que não puderam seguir seus cursos, saudades dos projetos não realizados, saudades de quando aquele palco, hoje trágico, era visto pelos pais apenas como um local de acolhimento e de segurança, para que pudessem deixar suas crianças enquanto trabalhavam.

Em um município pequeno como Saudades, as vidas de todos os moradores são de certa forma interligados. É o típico local que se sintetiza com a frase: todo mundo se conhece. Ainda não há muitas informações sobre os objetivos do jovem que protagonizou uma das piores tragédias do Estado neste ano. Não há razões dentro da racionalidade para uma explosão de violência tão gratuita e covarde.

Saudades está de luto, o Estado está de luto, o Brasil, o mundo… e o que se espera é que a Justiça faça a sua parte, para que o autor desta atrocidade pague pela forma da lei.

Afinal, ele não acabou apenas com as cinco vidas que ceifou, acabou com a sua própria, com as vidas das famílias e de amigos das vítimas, que nunca mais serão as mesmas; e com as vidas de seus próprios familiares, que certamente também estão de luto no dia mais triste que Saudades já viveu.

+

Editoriais