Ação contra as invasões

A Prefeitura de Florianópolis tem usado a tecnologia para avançar no combate às construções irregulares no município, iniciativa que tem se revelado especialmente eficiente nesse período de pandemia e necessidade de aumento do isolamento social.

Projeto da Secretaria de Meio Ambiente, Planejamento e Desenvolvimento Urbano intensificou o mapeamento dos pontos mais críticos da Capital, projeto fundamental para definição de prioridades do poder público a curto, médio e longo prazo.

Reportagem publicada ontem pelo ND registrou que o Executivo tem recebido dezenas de denúncias de desmatamento e construções irregulares, situação que exige uma ação enérgica dos órgãos de fiscalização.

O monitoramento por drones, projeto que começou há cerca de um
ano e já contabiliza mais de 3 mil voos, oferece uma radiografia minuciosa sobre as invasões em áreas públicas ou privadas, com ajuda de um software de inteligência artificial. O trabalho permite identificar alterações de uma imagem para outra, em datas diferentes, e que podem apontar para uma ação predatória e ilegal.

A agilidade é uma das vantagens apontadas pela administração municipal, que emitiu em torno de 800 autos de infração relacionados a obras sem alvará, em desacordo com o projeto aprovado e outras irregularidades.
Conter a ocupação desordenada que causa degradação generalizada – com a consolidação de um planejamento urbano que compatibilize qualidade de vida, respeito à lei e visão social – é um dos grandes desafios de Florianópolis.

A análise dos dados captados pelos equipamentos é ponto de partida essencial para quebrar o atual círculo vicioso, que alimenta a impunidade. O problema é histórico e crônico. Esse cenário só vai mudar efetivamente com engajamento de todos os setores e, principalmente, prioridade absoluta das autoridades do Executivo, Legislativo e Judiciário.

+

Editoriais