Agilidade é fundamental

Uma das práticas curiosas que a pandemia trouxe para a nossa rotina é a obsessão por números, tabelas, comparativos em relação aos dados  e muitas estatísticas. Começou bem tímido, lá em meados de março, quando as marquinhas vermelhas no mapa mundi apontavam os casos de Covid-19. Eram bem poucos, lá na China. Dali a alguns dias, veio uma surpresa quando os números apontavam 10 mil casos no mundo.

Na mesma época, um cientista brasileiro calculou que o novo coronavírus mataria cerca de 200 mil brasileiros, um número que a princípio parecia absurdo. Mas chegou as 200 mil vítimas no mesmo tempo de uma gestação, e hoje já beira os 230 mil, o que equivale a dizimar toda a população de uma cidade como Chapecó ou Itajaí.

Agora, as listas ganharam novos componentes que vão além do exercício considerado por muitos bem mórbido, mas fundamental para entendermos a extensão da pandemia, de registros de mortos, recuperados e afins. Surgiu o Covidômetro e mais recentemente o Vacinômetro, que dão à população a oportunidade de acompanhar os números.

Foi em uma destas estatísticas, a que reúne as informações sobre vacinação por Estado que surgiu uma dúvida: após pouco mais de uma quinzena do começo da vacinação em solo catarinense, o Estado fica abaixo da média na velocidade da imunização, apesar de o número de doses aplicadas crescer mais do que o de casos confirmados.

Em Santa Catarina, 75 mil pessoas receberam a primeira dose do imunizante até então, número relativamente baixo se analisarmos os dados dos Estados vizinhos, mesmo considerando a proporcionalidade. No Rio Grande do Sul, havia 183 mil vacinados até terça-feira. No Paraná, 158 mil, o que o torna proporcionalmente o Estado que mais vacinou.

É notório o esforço da força-tarefa na distribuição das doses no Estado foi elogiável, mas cabe uma revisão na logística e na forma de agilizar a aplicação destas doses, para que não se percam e possam trazer mais esperança para quem está na longa fila. Os números de vacinação em SC podem ser conferidos no Vacinômetro do nd+.

+

Editoriais