Alarme falso na SC-401

Exatamente um mês depois da assinatura da ordem de serviço para a obra de reforma da SC-401, a rodovia estadual mais movimentada de Santa Catarina, por onde trafegam cerca de 70 mil veículos por dia, a situação voltou à estaca zero. Os trabalhos, previstos para começar nesta quinta-feira, estão suspensos por causa, mais uma vez, da burocracia. Falta uma licença ambiental para a instalação do canteiro de obras. E o pior: o governo do Estado está com licitação aberta para contratar a empresa responsável pela fiscalização da obra. Foi isso que ocorreu na reforma das pontes Colombo Salles e Pedro Ivo. Um impasse burocrático, confuso e até com má vontade do Estado, que colocou em risco quem trafegava pelas estruturas. Foi necessária a intervenção da Justiça para que a obra começasse. A mesma burocracia que agora impede a revitalização da SC-401, uma rodovia que ano após ano está mais degradada, mais movimentada e mais perigosa. Há muito tempo a SC-401 perdeu as características de rodovia para virar uma via urbana. Construída na década de 1930 para ligar o Centro ao Norte da Ilha, a estrada cresceu de forma desordenada e hoje é cercada por imóveis comerciais, um verdadeiro shopping a céu aberto. A lista de problemas é extensa: falta de sinalização adequada, má conservação, atos de imprudência, falta de maior fiscalização e de conscientização e excesso de publicidade (outdoors). Esperava-se que em até dois anos, o prazo definido para a conclusão da obra, o cenário caótico poderia mudar, para melhor. Mas tudo indica que motoristas, motociclistas, ciclistas e pedestres terão que conviver por muito mais tempo com essas adversidades.

+

Editoriais