Alerta e esperança

Santa Catarina atingiu na última sexta-feira (11) a marca de 1 milhão de casos confirmados de Covid-19, com mais de 965 mil pessoas recuperadas. Esse número é um alerta aos catarinenses de que os riscos da pandemia continuam, então é preciso seguir com os cuidados que nos acompanham desde março de 2020: máscara, álcool gel e distanciamento. A pandemia não retrocedeu.

Outro alerta vem do novo mapa de risco. No sábado (12), o governo do Estado atualizou o quadro e o resultado é preocupante: todas as 16 regiões de Santa Catarina estão em situação gravíssima, o pior índice dos indicadores desde o início da pandemia.

A Grande Florianópolis, que vinha se mantendo no patamar grave (laranja) há semanas, o Nordeste e o Médio Vale do Itajaí, que estavam com o mesmo índice na semana anterior, pioraram para o gravíssimo.

O governo estima que 291 dos 295 municípios têm casos ativos de Covid-19. Dos 1.515 leitos de UTI Adulto existentes pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em Santa Catarina, 1.460 estão ocupados, 952 por pacientes com confirmação ou suspeita de infecção por coronavírus. A ocupação é de 96,4%.

Para a Secretaria de Estado da Saúde, houve aumento considerável no índice de transmissibilidade em todo o Estado. Um dos principais motivos para isso, conforme Bianca Vieira, diretora de Tecnologia da Informação e Governança Eletrônica da Secretaria da Saúde, foi o feriado prolongado de Corpus Christi, no início de junho.

Bianca alerta que Santa Catarina esteja entrando em nova onda, reforçada pela queda das temperaturas que afeta a imunidade geral da população: “É importante reforçar à população a necessidade de se vacinar, independentemente da vacina disponível, pois talvez estejamos à frente de uma das maiores ondas no Estado, sem ainda termos nos recuperado dos impactos causados pela última onda de fevereiro e março no sistema hospitalar”.

A chegada de mais vacinas e a vacinação em pessoas mais novas dão a esperança de que Santa Catarina consiga reverter esse grave quadro. Para isso, é fundamental que todo o público vacinável faça a sua parte, para avançarmos na imunização e no retorno da normalidade.

+

Editoriais