Construção civil reage

Paralisado nos últimos anos pela recessão econômica que travou o país, o setor da construção civil ganhou novo fôlego em 2019. Antigos e novos projetos que estavam engavetados, já saem do papel. Em Santa Catarina, o setor voltou a contratar. Como mostrou a reportagem publicada ontem no ND, de janeiro a outubro do ano passado a construção civil catarinense criou 10 mil postos de trabalho. Um dos principais pontos dessa recuperação é a redução dos juros. A taxa Selic, que baixou para 4,5%, é referência para todas as demais taxas de juros do mercado.

Com juros menores, o financiamento da casa própria ficou mais barato e a procura aumentou. A roda da economia girou. No ano passado, a Caixa Econômica Federal financiou quase R$ 1 bilhão em imóveis no Estado. São cerca de R$ 190 milhões a mais que em 2018. Um crescimento de 24% no volume de recursos financiados para a habitação em Santa Catarina. Com isso, construtoras voltaram a erguer imóveis e imobiliárias retomaram os negócios.

A construção civil continua sendo um dos melhores termômetros para avaliar se uma cidade, um Estado ou país está ou não crescendo. Alguns setores da economia, como a indústria e o agronegócio, têm papel fundamental na geração de empregos e riqueza e na transformação de matéria prima, mas a construção civil sempre será importantíssima no processo de retomada do crescimento por vários fatores, como a liquidez no ambiente econômico, a melhora dos índices de desenvolvimento e a solidificação das obras públicas.

+

Editoriais