De novo a Comcap

A população de Florianópolis convive mais uma vez com a ameaça de não poder contar com um serviço público essencial, que é o de limpeza urbana e coleta de lixo. Mais uma vez o teatro é arquitetado por um sindicato, que tem feito os trabalhadores da autarquia Comcap de massa de manobra, apenas para se manter em evidência, justificando a sua existência e política, que hoje não é condizente com a realidade do município de Florianópolis e da grande maioria de municípios e Estados do Brasil. Apesar de a qualidade dos serviços prestados pela Comcap ser reconhecida pela população, a estrutura da autarquia, com quase 1.500 funcionários e muitas necessidades em termos de equipamentos e modernização, é na verdade um grande peso para o município. Não cabe no atual cenário de gestão e oferta de recursos públicos, além de impor à cidade um atraso na questão do tratamento dos resíduos, se comparado ao que é oferecido em outros municípios que terceirizaram o serviço. A prefeitura informou, por meio de nota, que o momento é de contratação de professores e médicos e que não há data definida para concurso na Comcap, tendo ainda que se levar em consideração o comprometimento da receita com a folha de pagamento, em acordo com a lei. Posição consciente, mas que precisa vir acompanhada de decisões que encaminhem a terceirização dos serviços. Não estamos defendendo a demissão dos funcionários, que podem ser aproveitados em outros setores da prefeitura, mas é obvio que além de mais moderno e ambientalmente sustentável, o serviço de coleta de lixo e limpeza urbana ficará muito mais barato para o cidadão. Enquanto não caminhar para a terceirização, a cidade ainda permanecerá à mercê das ameaças constantes de greve, muitas delas sem sentido, como a que está sendo anunciada para os próximos dias, com base apenas na requisição de mais funcionários públicos e consequente aumento do peso da autarquia para o contribuinte. Só em 2018 foram realizadas cinco greves seguidas, com impacto no dia a dia das pessoas. Esse ano já foi realizada pelo menos uma e justo no momento em que a cidade precisava da autarquia, por causa do feriado de carnaval e da presença maior de turistas. As greves da Comcap precisam acabar e o remédio é simples: conceder ou terceirizar o serviço.

Mais Opiniões Editoriais

Editorial

Continua o impasse com a ocupação da reitoria da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), no centro de […]

Editorial

Reconhecido frequentemente em diversos prêmios ligados ao turismo, o Estado de Santa Catarina colhe os frutos de ser […]

Editorial

O incêndio no Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, controlado pelos bombeiros depois de quase dois dias de […]

Editorial

O primeiro passo para a balneabilidade da baía Norte, no trecho de 3,5 quilômetros de extensão da avenida […]