É preciso denunciar

Após 14 anos da criação da Lei Maria da Penha, criada para prevenir e punir atos de violência contra as mulheres, infelizmente elas continuam sendo vítimas dos maridos, namorados ou ex-companheiros, que em pleno século 21 ainda carregam a fraqueza de uma sociedade machista que historicamente se acha no direito de maltratá-las.

Nem toda violência deixa marcas físicas, como as ofensas verbais e morais, que causam dores, que superam, a dor física. Humilhações, torturas e abandonos são considerados pequenos assassinatos diários, difíceis de superar. A vítima geralmente tem pouca autoestima e se encontra atada na relação com quem agride, seja por dependência emocional ou material. O jogo precisa virar de lado, rapidamente.

Nesse caso, o que as pessoas devem entender é que não há ganhadores ou perdedores, é o jogo da vida, que precisa terminar empatado, com respeito e dedicação de ambos os lados. Mudar a cultura não constitui tarefa fácil. É difícil e lenta. Mas há que começar sem perda de tempo. Para isso, é fundamental que as mulheres denunciem cada vez mais os atos violentos.

Como não se disseminou a cultura da denúncia, muitas deixam de notificar a agressão, seja devido à dependência econômica, seja ao temor de vingança. Mas há diversos caminhos para se fazer uma denúncia. Um deles é a Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência – Ligue 180. Outra opção são as 31 delegacias especializadas em proteção à criança, ao adolescente, à mulher e ao idoso em Santa Catarina.

Não é necessário fazer a denúncia pessoalmente, pois a Polícia Civil disponibiliza o 181, disque-denúncia que funciona 24 horas e garante o anonimato da denunciante. Também é possível denunciar pelo WhatsApp, no número (48) 98844-0011. Em situações de emergência, a recomendação é chamar a PM, pelo 190, que também atende pelo aplicativo PMSC Cidadão.

A violência contra as mulheres nunca é aceitável, nunca é perdoável ou tolerável. Toda mulher violentada física e moralmente deve ter a coragem para denunciar o agressor, pois assim ela está se protegendo contra futuras agressões.

+

Editoriais