Fôlego extra para empreendedores

Santa Catarina vem ganhando destaque, desde o meio do ano passado, na geração de empregos. Apesar da influência negativa da pandemia de Covid-19, ao todo, considerando o segundo semestre de 2020 e os primeiros quatro meses deste ano, já foram criadas mais de 150 mil novas vagas no Estado, com mais da metade delas geradas por micro e pequenas empresas.

Uma iniciativa da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc) e Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) promete ajudar esses empreendedores a manter o pé no acelerador. Trata-se de operações de crédito para capital de giro entre R$ 20 mil e R$ 100 mil, sem necessidade de apresentação de garantias reais.

As taxas de juros vão de 5,5% a 6,5% mais a variação da taxa Selic, com carência de 12 a 18 meses, e com prazos de 30 a 36 meses para o pagamento do financiamento.

Para obter o financiamento, as empresas têm de cumprir alguns requisitos, entre eles, mais de dois anos de constituição, faturamento em 2020 superior a R$ 100 mil e situação regular sem registro de débitos pendentes no Sistema de Informações de Crédito do Banco Central.

Outro requisito premia também aqueles empreendedores que vêm honrando empréstimos já feitos junto ao BRDE. Eles poderão pedir novo financiamento sem a apresentação de garantias. Mas, para isso, é preciso estar com os pagamentos em dia e os saldos devedores não podem ultrapassar o limite de R$ 100 mil.

A criação desta linha chega em momento dos mais oportunos, já que especialistas em saúde falam na possibilidade de uma terceira onda da Covid-19.

E num cenário tão conturbado e incerto, a adoção de políticas públicas que desburocratizem o acesso ao crédito, bem como a criação desta linha do BRDE, dão um novo alento para que as micro e pequenas empresas sigam puxando a criação de vagas formais no Estado e no Brasil.

+

Editoriais

Editorial

O Brasil está virando um país de golpistas e fraudadores. Durante a pandemia, o número de golpes e f ...