Greve afronta o Judiciário

“Não é admissível que os grevistas desafiem decisões judiciais e promovam baderna nas ruas”

A população de Florianópolis assistiu atônita, nos últimos dias, a uma ação autoritária orquestrada pelo Sintrasem (Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal) motivada pelo inconformismo em relação aos projetos emergenciais enviados pelo Executivo à Câmara de Vereadores.

Não bastasse a deflagração de mais uma paralisação intempestiva por parte dos trabalhadores da Comcap, em prejuízo de quem paga os impostos e merece ter a prestação dos serviços em dia, uma parcela dos grevistas resolveu partir para o ataque e para a intimidação.

Não é admissível que, em pleno estado democrático de direito, os grevistas desafiem ostensivamente as decisões judiciais que decretaram a ilegalidade da greve e determinaram o retorno imediato ao trabalho, sob pena de pagamento de multa diária de R$ 200 mil em caso de descumprimento.

E que, além disso, promovam baderna, obstruam o tráfego em algumas ruas, joguem lixo na frente de repartições públicas e depredem caminhões usados para o transporte dos resíduos, como registrado ontem na sede da autarquia, no Itacorubi.

Já destacamos neste espaço que a Autarquia de Melhoramentos da Capital custa caro ao contribuinte e que a situação atual é fruto da nefasta ingerência política ao longo das últimas décadas. Florianópolis vive, portanto, um momento importante na defesa de uma gestão dinâmica, sem privilégios e pautada pela austeridade no trato do dinheiro público.

Os vereadores, nossos representantes no Legislativo municipal e que acabaram de ser eleitos para os próximos quatro anos, têm a chance de fazer a diferença na votação da próxima semana defendendo os interesses da coletividade, e não de uma minoria que tenta salvaguardar benefícios pessoais.

+

Editoriais