Greve inoportuna, mais uma vez

Os moradores da Capital catarinense foram surpreendidos ontem com a notícia de início de mais uma greve por tempo indeterminado dos trabalhadores da Comcap, autarquia responsável pela limpeza urbana e coleta de lixo do município.

Mais uma vez, a população acaba sendo privada desses serviços essenciais
por conta de uma estratégia sindical inoportuna e ideológica que transforma a categoria em massa de manobra. Na outra ponta, totalmente refém, fica a coletividade, que paga impostos e tem direito à contraprestação dos serviços públicos.

Florianópolis não pode mais conviver com esse tipo de mobilização, que se prevalece da legislação e de direitos adquiridos – como o da estabilidade – para a negociação de pautas totalmente desvinculadas da realidade do país. Especialmente em meio a uma crise sanitária sem precedentes, com graves impactos no cenário econômico e no mercado de trabalho.Há uma dessintonia total!

A paralisação, que vai ser questionada na Justiça pela prefeitura com pedido de decretação de ilegalidade, pode servir para a retomada de uma
pertinente discussão sobre a estrutura da autarquia e a relação custo-benefício para o contribuinte florianopolitano.

A Comcap tem relevantes serviços prestados ao município, mas é inadmissível que tenha seus serviços interrompidos com frequência ao sabor das disputas políticas e ideológicas internas das entidades sindicais.

A busca de austeridade na gestão do dinheiro público e a crescente cobrança de aumento da eficiência no atendimento ao cidadão estimulam
uma pauta difícil sob o ponto de vista político-eleitoral, mas absolutamente essencial para a cidade. Qual a Comcap que queremos para a cidade?

+

Editoriais