Impasse e conciliação

Preocupadas com o impasse que se arrasta há anos e impede a conclusão do projeto da Ferrovia Litorânea e a conclusão das obras da BR-101 Sul, entidades integrantes do Cofem (Conselho das Federações Empresariais de Santa Catarina) – Fiesc, Fecomércio, Faesc, Fetrancesc e Fampesc – foram ao Ministério da Justiça e Segurança Pública defender uma solução conciliatória para a questão indígena do Morro dos Cavalos. Atualmente, o obstáculo é a reestruturação da Funai (Fundação Nacional do Índio). O objetivo das entidades é beneficiar as duas partes. A indefinição sobre o assunto, como lembrou o presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar, traz prejuízos à sociedade. Obra fundamental  para o desenvolvimento do Estado, a Ferrovia Litorânea será uma importante ligação dos portos catarinenses com as rodovias de todo o país. O projeto dessa obra foi lançado em 2008 e a previsão de conclusão era 2011. São 11 anos de inércia, pois o traçado original passa pelo Morro dos Cavalos. Se a ferrovia fosse desviada, o custo da obra seria elevado e ficaria inviabilizada. Outra novela que se arrasta é a construção do túnel do Morro dos Cavalos. Sem essa obra, a duplicação da BR 101 não é totalmente concluída. Aquele trecho da rodovia federal é um dos mais perigosos em Santa Catarina, por isso acidentes viraram rotina. O túnel, que representa mais segurança para os motoristas, pouparia muitas vidas. Cairiam os números de atendimentos, o que economicamente beneficia o Poder Público.
A pressão das entidades é louvável. Esse impasse precisa ser resolvido, para o bem da  população indígena e da sociedade catarinense.

+

Editoriais