Impostos e a reforma que não sai do papel

Em sete meses, os brasileiros pagaram R$ 1,5 trilhão em tributos federais, estaduais e municipais. A marca foi registrada na madrugada de ontem, 1º de agosto, no Impostômetro, medidor da Associação Comercial de São Paulo da carga tributária dos brasileiros. Em 2020, o mesmo valor foi atingido no dia 28 de setembro. Resumo da ópera: este ano, os brasileiros estão pagando mais impostos.

Para a entidade paulista, parte da alta na arrecadação acontece devido à recuperação econômica, impactada pela crise gerada pela pandemia. O argumento é que com a retomada, a economia está menos sujeita a restrições de funcionamento.

Por outro lado, o aumento da carga tributária também é reflexo da elevação dos preços dos produtos e serviços. Em 12 meses, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) acumula alta de 8,6%, enquanto o IGP (Índice Geral de Preços) tem 33% de elevação.

A pesada carga tributária que recai sobre a sociedade é a vilã de todas as camadas da população. Dos empresários, por causa da forte incidência sobre a folha de salários e sobre os encargos, dos assalariados de mais baixa renda, por serem atingidos indiretamente pela tributação de bens e serviços, e dos profissionais liberais que pertencem à classe média alta, que pagam as maiores alíquotas de Imposto de Renda.

A esperança de milhões de brasileiros é ver a aprovação da reforma tributária, que está há anos em discussão no Congresso Nacional, mas os avanços são tímidos. O que todos esperam é que a mudança traga, enfim, simplificações e redução de impostos.

O atual presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, reconhece que a reforma tributária é essencial para o país e diz que vai pautar o tema e fazer uma discussão democrática.

Mas falta empenho e até vontade dos políticos em atuar a favor do país e da sociedade. É consenso que a reforma tributária é essencial para que o Brasil volte a crescer, pois a legislação atual prejudica o crescimento econômico pela falta de segurança jurídica e complexidade.

+

Editoriais

Editorial

Dois acidentes com mortes num intervalo de apenas cinco horas, entre a noite de domingo e a madrugad ...