Mais um passo na luta contra a Covid

Os resultados obtidos pela vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, apresentados ontem, pelo Governo do Estado de São Paulo, representam mais um passo na batalha contra a Covid-19 e a consequente retomada da vida dentro do que se rotulou chamar de “novo normal”.

De acordo com o Instituto Butantan, a vacina apresentou resultados importantes. Ela garantiu a proteção total (100%) contra mortes, casos graves e internações entre os imunizados que foram contaminados. Na prática, isso significa que, entre os infectados, nenhum morreu, desenvolveu quadros graves da Covid-19 ou teve de ser internado para tratamento.

Testada no Brasil em 16 centros de pesquisas distribuídos em sete estados e no Distrito Federal, a vacina, segundo o instituto, teve 78% de eficácia total nos testes clínicos feitos no Brasil. Ao todo, 13 mil voluntários brasileiros participaram dos testes, que começaram em julho de 2020.

A eficácia de 78%, ainda que inferior aos resultados obtidos pelos laboratórios Pfizer e Moderna, de 95% e 94%, respectivamente e que utilizam tecnologia diferente do Butantan, foi elogiada por especialistas.

A bióloga Natalia Pasternak, microbiologista pesquisadora da USP e presidente do Instituto Questão de Ciência, por exemplo, considerou o resultado como “excelente” e compatível com uma vacina de vírus inativado. “Com uma boa campanha, vai ser uma ótima vacina para o Brasil”, previu a especialista.

O Instituto Butantan aguarda agora a autorização da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para uso emergencial da vacina. A expectativa é de que os dados sejam analisados em até dez dias.

Disputas políticas à parte, a torcida é para que os governos federal, estaduais e municipais aproveitem bem este tempo para acertar a compra dos insumos necessários e também para definir um plano eficiente de imunização, para que, a partir daí possamos voltar a viver dentro do “novo normal”.

+

Editoriais