Mudar para melhor servir ao catarinense

Quando eu era criança todo mundo achava que o futuro tinha data para acontecer: seria no dia 1º de janeiro do ano 2000. A virada do milênio seria o início do tão esperado “futuro”. E quando ele chegasse, os carros voariam, a comida seria em pílulas e os marcianos já teriam invadido a Te

Marcello Corrêa Petrelli, presidente executivo do agora Grupo ND – Foto: Anderson Coelho/ND

rra há muito tempo. O futuro chegou, já estamos quase em 2020, e vejam só: o carro do futuro é a bicicleta ou o patinete. A comida do futuro é orgânica e fomos nós, os terráqueos, que invadimos Marte.

Não é fácil prever o futuro, ainda mais nos dias de hoje. Mas, uma coisa já sabemos: o amanhã vai trazer infinitas possibilidades para todos nós, cidadãos, empresários, homens públicos, sonhadores. Grandes oportunidades surgirão para aqueles que souberem se adaptar com rapidez e criatividade. Essas oportunidades pedem mudanças e exigem coragem.

A RIC Santa Catarina muda a partir de hoje. Muitos têm me perguntado: por que mudar, qual é a razão dessa mudança? Há motivos para nos questionar. Afinal, esse foi um ano excepcional para o nosso Grupo. Tivemos o melhor resultado e o mais alto crescimento de nossa história.

A resposta vem em forma de outra pergunta. Tem como não mudar num mundo que muda a cada instante? Nunca, jamais, a humanidade vivenciou algo parecido. E como reagir a essa onda avassaladora, incessante, permanente, que atinge todos nós sem piedade? Simples: mudando também, não há outra alternativa. Todos nós precisamos nos reinventar, de uma forma ou de outra.

Quando falamos de mudanças, só há um caminho: conversar com as pessoas, ouvir, perguntar, conhecer. Foi isso que fizemos quando, há nove meses, decidimos que era hora de mudar. Trouxemos os mais importantes e inovadores institutos de pesquisa do país, o Instituto Locomotiva, de Renato Meirelles, o maior especialista em classe média no Brasil; e o Instituto Lupi, que realizou 76 “focus group” em todas as grandes cidades do Estado. Foram 20 mil entrevistas em três meses de trabalho duro, no mais profundo estudo já realizado sobre o jeito do catarinense consumir notícias, entretenimento e informação.

Passamos a entender ainda mais a cabeça e o coração dos catarinenses. Seus valores, crenças, desejos, angústias, frustrações, alegrias e sonhos. Como eles veem assuntos como família, política, religião, esportes, sexo, “fake news”. O que querem e o que não querem assistir na tevê. O que gostam e o que detestam. Asseguro que poucas empresas catarinenses já realizaram um estudo tão detalhado como esse que a RIC produziu.

E o que essas pessoas nos contaram? O catarinense valoriza a família, o trabalho e a palavra dada. Ama nosso Estado e torce para o Brasil dar certo. Quer mudanças, um país novo, melhor, diferente. Quer assistir, ler, acessar, jornalismo que tenha responsabilidade com a verdade.

O catarinense quer mais soluções e menos problemas. Quer saber claramente qual o posicionamento e a opinião de cada veículo de comunicação. Quer uma comunicação que seja espelho dos seus valores e das suas crenças. Quer mais notícias da sua rua, do seu bairro, da sua comunidade. Mais programação regional. Quer os bons exemplos sendo reconhecidos. Quer uma TV que toda a família possa assistir. Uma TV mais leve, ousada, otimista, corajosa e inovadora. Quer mais alegria, mais leveza e entretenimento. Tem fome de saber, conhecer, aprender. E quer tudo isso agora, o tempo todo, noite e dia.

Pelo perfil do seu povo, Santa Catarina é um modelo para o Brasil. Aqui, nunca nos acomodamos. Gostamos de trabalhar e não temos medo de desafios. Nossa distribuição regional é única, equilibrada, diversificada. Temos o turismo, o agronegócio, o cooperativismo, a indústria, os integrados. Temos o sistema Acafe, formando e mantendo novos profissionais em suas regiões. O que nos une é um elo sólido e fundamental: os veículos de comunicação, a mídia regional. Nosso ramo, o da comunicação, é diferente. Não somos indústria, não somos fábrica, somos serviço. Nosso propósito é servir, contribuir, fazer o bem. É um negócio? É claro que é. Precisa dar resultados? É lógico, como qualquer negócio. Mas é diferente.

Estamos presentes em todos os lares, em cada casa, em cada cidade, não importa o tamanho, dialogando e dando voz às famílias que constroem a grandeza de Santa Catarina, dia após dia. Também somos os parceiros incondicionais de quem produz, incentivando, promovendo e apoiando aqueles que geram desenvolvimento, progresso e empregos na nossa terra.
Isso é o que nós somos, uma atividade essencialmente humana. Nosso espírito é servir, informar, entreter, emocionar. Sentimos as dores das pessoas e jamais conseguiremos ficar indiferentes a isso. Quantas vezes já presenciamos apresentadores de TV chorando, ao vivo, ao dar uma notícia.

Seja qual for a causa, seja qual for o desafio, quem empreende sabe que pode contar conosco. A bandeira do empreendedor também é a nossa bandeira.
Temos compromisso com a informação e com a credibilidade, com o futuro do país e do nosso Estado. A comunicação é dinâmica, muda o tempo todo. E aí voltamos ao nosso tema, a grande mudança: uma nova identidade do Grupo RIC Santa Catarina. Criamos uma nova identidade para um novo tempo, um novo caminho, uma nova atitude, mais leve, colorida, vibrante, olhando pra frente com otimismo e alegria. É uma mudança tão profunda que nem o nosso nome poderia permanecer o mesmo.

A partir de hoje passamos a ser o Grupo ND. Além da nova identidade do Grupo ND, a RIC TV de Santa Catarina também muda. A partir de agora, somos a NDTV. Uma emissora que se renova, absolutamente conectada com o que pensam e desejam os sete milhões de catarinenses que nos assistem. Essa é uma pequena parte da grande transformação que estamos iniciando. Um trabalho de equipe que envolveu todos os nossos colaboradores.

De hoje em diante, e nos próximos dois anos, muitas outras transformações virão: novos programas, novos estúdios, novos profissionais chegando, novas vinhetas e uma postura editorial cada vez mais catarinense. É mais uma razão dessa mudança.

A RIC Paraná, brilhantemente comandada pelo meu irmão Leonardo Petrelli, segue sendo RIC Paraná. Tanto lá quanto aqui, queremos nos aproximar cada vez mais do nosso público. Assim como eu e o Leonardo, Paraná e Santa Catarina são estados irmãos, semelhantes, mas, ao mesmo tempo, diferentes. Cada um com as suas próprias demandas, angústias e linguagem própria.
Essa mudança é um reconhecimento dessa realidade, uma declaração de intenções. O Grupo RIC cada vez mais Paraná, e o Grupo ND cada vez mais Santa Catarina. Estamos aqui integralmente, de corpo inteiro em Santa Catarina. Aqui vivemos, aqui choramos, aqui sorrimos.

Nossa família vive em Santa Catarina há mais de 100 anos. Essa é nossa raiz. Meu bisavô, José Roberto Guillon, fundou o Tribunal de Justiça de Santa Catarina e foi seu primeiro presidente. Minha avó, Alice, foi a primeira servidora pública mulher do estado, em 1929. Meu pai, Mário José Gonzaga Petrelli, fundador e presidente emérito do Grupo RIC, nasceu aqui, em Florianópolis. E segue sendo um exemplo, 100% catarinense. Continuaremos como um grupo familiar, unido, forte, tanto lá como cá. Aliás, somos o maior grupo de comunicação do Sul país, com mais de mil colaboradores. Mas cada vai falar a língua da sua terra, do seu chão.

O Grupo ND já nasce grande. Somos o maior produtor de conteúdo regional do país, com 16 horas de programação local por dia e líderes de audiência nesses programas. Temos a maior equipe de jornalismo no Estado, o programa regional com a maior audiência do Brasil, em Chapecó, com 64% de audiência. Nos últimos quatro anos já investimos mais de 40 milhões de reais em tecnologia para ampliar nossa cobertura e levar imagem HD a todos os lares. Somos TV, somos jornal impresso, somos digital, portal de notícias, somos revista, somos o Grupo ND.

Essa mudança não vai mais parar. Nós, do Grupo ND, estaremos cada vez mais conectados a esse sentimento. Seremos a voz desse novo país, otimista, alegre, entusiasmado. Mudamos para ser uma referência à sociedade. Mudamos para liderar. Você pode se perguntar, afinal o que significa ND? Essa é outra inovação. ND pode ser o que cada um quiser. Pode ser “Notícias do Dia”, como o jornal que editamos. Pode ser ND+, nosso portal de notícias na internet. Pode ser “Noite e Dia com Você”, como o novo posicionamento da NDTV. Pode ser ainda Novidades Digitais, Nosso Desenvolvimento, Novos Desafios, Nota Dez! ND é tudo isso e muito mais. Duas letrinhas, múltiplos significados.

Um nome que traduz um novo estado de espírito, um propósito maior. Seremos, daqui em diante, uma mudança permanente, inquieta, intensa. Nossa eterna gratidão a todos os catarinenses por fazerem parte de nossa história.

Mais Opiniões Editoriais

Editorial

É inegável que os serviços prestados pela Comcap (Autarquia de Melhoramentos da Capital) são excelentes, há uma dedicação […]

Editorial

De mãos atadas, o presidente Jair Bolsonaro sancionou o Fundo Eleitoral de R$ 2 bilhões. “Escravo da lei”, […]

Editorial

O programa Se Liga na Rede, uma força-tarefa que vem sendo realizada em conjunto pela Prefeitura de Florianópolis […]

Editorial

O ano legislativo em Brasília, que começará em fevereiro, será movimentado pela agenda de reformas em debate no […]

Editorial

O governador Carlos Moisés da Silva (PSL) decidiu tirar férias em Laguna, por 14 dias, provocando nova polêmica […]

Editorial

Uma das soluções encontradas pelo governo do Estado para a saúde, que tem déficit de cerca de R$ […]

Editorial

Santa Catarina fechou o ano de 2019 com um número preocupante: 59 mulheres morreram vítimas de feminicídio, conforme […]

Editorial

Reaberta há cinco dias, a ponte Hercílio Luz virou a principal atração turística de Florianópolis neste verão. A […]

Editorial

Apesar de transmitir tranquilidade em relação ao abastecimento de água na Grande Florianópolis durante a temporada de verão […]

Editorial

Especialistas e empreendedores são praticamente unânimes em afirmar que o ano está terminando com um cenário de retomada […]