Novas perspectivas para o ensino médio

Anunciada pelo governo federal em 2017, na gestão do então presidente Michel Temer, a reforma do ensino médio começa a ser implementada oficialmente este ano em Santa Catarina.

A partir de fevereiro, 711 escolas estaduais terão o novo ensino médio, que inclui carga horária ampliada e currículo mais flexível. Desde 2020, o modelo já funciona em 120 escolas-piloto.

O novo ensino médio aproxima os estudantes das transformações da sociedade e do mercado de trabalho, por meio de um currículo mais flexível. O modelo de estudo passa a ser por disciplinas para áreas do conhecimento, ou seja, os conteúdos serão abordados de forma integrada e mais articulada.

São três frentes: o desenvolvimento do protagonismo e do projeto de vida dos estudantes; a valorização da aprendizagem com a ampliação da carga horária de estudos; e a garantia de direitos de aprendizagem comuns. Com o novo modelo, o ensino médio deixa de ser apenas uma fase preparatória para o vestibular.

Como sempre faz em diversas áreas, Santa Catarina foi o primeiro Estado a ter o Currículo Base do Ensino Médio, homologado pelo Conselho Estadual de Educação, além de ter sido o primeiro Estado a entregar o Plano de Implementação do Novo Ensino Médio ao Ministério da Educação.

“Queremos que a sala de aula seja um ambiente desejável para o aluno, para prepará-los para o mundo real. Na escola, ele poderá fazer escolhas alinhadas com seus interesses”, diz o secretário de Estado da Educação, Luiz Fernando Vampiro. As mudanças parecem ter mais pontos positivos do que negativos. Antes, a matriz do currículo era composta por 25 aulas semanais, que estavam distribuídas em cinco aulas a cada dia da semana.

Com a ampliação da carga horária, de 800 para 1 mil horas, o estudante poderá ter seis ou até sete aulas em um período ou ainda ter um ou mais dias com período integral (matutino e vespertino). Que esse novo modelo de ensino venha a somar e melhorar o nível da educação em todo o país.

+

Editoriais