O contorno e o pedágio

Previsto originalmente para ficar pronto em 2012, o Contorno Viário da Grande Florianópolis parece estar cada vez mais distante da conclusão. Atraso nas obras, mudanças de empreiteiras, escolha equivocada no traçado, demora nas desapropriações, burocracia, deficiências na fiscalização do contrato de concessão, falha na cobrança dos prazos… os muitos erros cometidos durante as fases do projeto e das obras afetam milhares de motoristas e moradores da região que trafegam diariamente por um dos trechos mais movimentados da BR-101.

Agora, a Arteris, concessionária responsável pela rodovia e pelo Contorno Viário, anunciou que vai investir R$ 3,7 bilhões até 2023. Mas isso terá um preço: a partir de sábado, quem passar pelas cinco praças de pedágio da Arteris pagará 44% a mais na tarifa. De R$ 2,70, o valor vai passar para R$ 3,90.

O anel viário foi projetado em 1998 pelo antigo DNER (Departamento Nacional de Estradas de Rodagem), hoje Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), para ser construído junto à duplicação da BR-101 Norte. A Arteris assumiu a concessão, em 2008, ficou também com a responsabilidade de executar a obra.

O primeiro prazo para a conclusão era 2012. Foi aí que começou o festival de atrasos. Primeiro, a ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestres) estendeu o período de entrega para 2017. Depois, uma sequência interminável de prazos não cumpridos ou prazos futuros. O atual prevê a conclusão para agosto de 2023.

Para a Grande Florianópolis, a BR-101 se transformou há muito tempo em uma avenida urbana. Além de ser passagem para Rio Grande do Sul e Paraná, o trecho de pouco mais de 60 quilômetros que corta a região é usado diariamente por moradores da região para deslocamentos de casa ao trabalho, para lazer e compras.

Por isso a ideia da construção do contorno, que tiraria grande parte do tráfego pesado da rodovia. Infelizmente, essa novela em que se transformou a construção do contorno vai seguir por muitos capítulos. E o maior penalizado, infelizmente, será o povo catarinense.

+

Editoriais

Editorial

O Brasil está virando um país de golpistas e fraudadores. Durante a pandemia, o número de golpes e f ...