O crime não compensa

O roubo de fiação elétrica, placas de sinalização de trânsito, hidrômetros, peças de arte e esculturas, prática criminosa que infelizmente vem se tornando rotineira em Florianópolis, provoca transtornos para a sociedade e prejuízos para o Poder Público.

Semáforos, praças, parques e as pontes Hercílio Luz, Colombo Salles e Pedro Ivo são alvos constantes dos bandidos. Os furtos acontecem por conta da fácil comercialização e do preço do cobre nos ferros-velhos da cidade. Mas o cerco está se fechando para esses desocupados.

A Secretaria de Segurança Pública de Florianópolis, em conjunto com forças policiais da Capital e órgãos da administração municipal, coordenou a terceira fase da Operação Fio Desencapado. O objetivo é fiscalizar ferros velhos e combater o crime de receptação dos itens provenientes de furto.

Esse tipo de operação é válido em todos os sentidos, um ganho para a sociedade. Os bandidos precisam saber que as forças policiais trabalham para combater o crime, todo tipo de crime. Florianópolis não é terra de ninguém. Quem imagina que pode agir fora das regras de convivência em sociedade, vai pagar o preço por isso.

Com foco na fiscalização da regularidade destes comércios em relação às questões ambientais, saúde pública e alvarás de funcionamento, dificilmente esses locais continuarão a receptar os materiais furtados. Essa fiscalização inibe a ação dos criminosos.

Sem compradores, os ladrões não têm para quem vender. O círculo vicioso é quebrado. O secretário de Segurança Pública da Capital, Araújo Gomes, reforça essa questão: “Atuando para impedir que os pontos de compra destes itens furtados sejam punidos, a cadeia do crime é interrompida, pois não há mais motivo para roubar, se não tiver para quem vender”.

Desde a primeira fase da operação, cerca de 1,4 tonelada de fios foram apreendidos, nove pessoas foram presas e mais de 50 autos de infração e multas foram emitidos.

Os números comprovam que a principal mensagem que o poder público deve levar à população é a de que o crime não compensa. O objetivo desta operação ainda não foi atingido, mas certamente houve avanços.

+

Editoriais