O lugar das mulheres também é na política

As eleições municipais de 2020 ficarão marcadas pelo aumento da participação das mulheres em todo o processo. Além do registro recorde de candidaturas femininas na disputa por prefeituras e câmaras municipais, o total de mulheres eleitas, reeleitas ou que ainda concorrerão no segundo turno também cresceu.

Os dados consolidados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) serão divulgados até sexta-feira (20), mas até o momento, 12,2% das prefeituras tiveram mulheres eleitas. Na eleição de 2016 esse número foi de 11,57%. Diferente de 2016, este ano todas as capitais do país elegeram mulheres para o cargo de vereador. Aqui em Florianópolis, em resultado histórico, cinco mulheres foram eleitas para a Câmara de Vereadores.

Cada vez mais, elas extrapolam a obrigatoriedade das cotas. A Justiça Eleitoral tem proposto novas normas. Além da cota de 30% das candidaturas serem de mulheres, os partidos agora precisam cumprir essa regra para receber verbas do fundo partidário.

Ao mesmo tempo, a Justiça Eleitoral exigiu que os partidos repassassem mais verbas às campanhas das mulheres. Com isso, as candidaturas estão cada vez mais robustas. E cada vez menos candidatas “laranjas”. Os resultados das urnas comprovam isso.

Segundo o ministro Luís Roberto Barroso, presidente do TSE, há uma curva ascendente na participação feminina nos processos eleitorais. Nos últimos anos, o tribunal tem feito campanhas de atração de mulheres para a política.

Também é perceptível no país o crescimento da presença das mulheres em campos de discussão gabaritados sobre a desigualdade de gênero e raça no acesso ao trabalho, renda, educação, etc. Essa participação ajuda a quebrar, aos poucos, a tradição política brasileira, marcada historicamente pela presença masculina. Ainda há um longo caminho para que se chegue ao menos à igualdade. Muito tem de ser feito, especialmente no âmbito social.

A punição de candidaturas “laranjas”, o fortalecimento dentro dos partidos dos grupos de mulheres e a conscientização do eleitor sobre a necessidade de maior representação são alguns dos caminhos para que o crescimento registrado este ano continue nas próximas eleições.

+

Editoriais

Editorial

O Grupo ND e a Fiesc (Federação das Indústrias de Santa Catarina) deram a largada na sexta-feira (23 ...

Editorial

O Brasil está virando um país de golpistas e fraudadores. Durante a pandemia, o número de golpes e f ...