Objetivo único de acelerar vacinação

Apesar da demora na aquisição das vacinas, da briga política, das supostas irregularidades na aquisição, dos fura-filas e de algumas campanhas contrárias à vacinação, o Brasil superou a marca de 70 milhões de pessoas vacinadas contra a Covid-19 com a primeira dose – o número equivale a 45% das 158 milhões de pessoas com mais de 18 anos no país.

Já o grupo de brasileiros com vacinação completa (primeira e segunda doses) chega a 25,6 milhões, 16,3% da população vacinável. É preciso registrar o excelente trabalho e o empenho das equipes de saúde do SUS (Sistema Único de Saúde), que diuturnamente garantem a imunização dos brasileiros.

Poderíamos estar mais avançados, como muitos países que saíram na frente ao adquirir as vacinas com antecedência e hoje suas populações levam uma vida praticamente normal. Mas não podemos continuar reclamando, levar a questão para o lado político.

Precisamos, isso sim, que mais brasileiros se vacinem no menor tempo possível. O país precisa se unir. Os poderes, os políticos, os governos e a iniciativa privada devem trabalhar com um único objetivo: acelerar a vacinação.

No fim de semana, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, convocou os 4 milhões de brasileiros que já têm o direito de tomar a segunda dose, mas ainda não compareceram aos locais de vacinação. “As vacinas são seguras e devem ser utilizadas. Vocês devem confiar nas vacinas”, afirmou.

Um recado direto para os brasileiros que estão escolhendo as vacinas: “Vacina boa é a que está disponível no posto de vacinação. Em Santa Catarina, até ontem 68.011 pessoas que tomaram a primeira dose não retornaram, no tempo adequado, para tomar a segunda dose.

Não vai demorar para que todos os brasileiros aptos a receber a vacina estejam imunizados. A previsão do governo federal é que até dezembro isso aconteça. Mais vacinas estão chegando. Por enquanto, vamos seguir com os cuidados aos quais já estamos acostumados.

+

Editoriais

Editorial

O Brasil está virando um país de golpistas e fraudadores. Durante a pandemia, o número de golpes e f ...