Percepções sobre a pandemia

Levantamento realizado pela Lupi Associados Pesquisa e Marketing, divulgada na edição deste fim de semana, mostra que mudou a percepção dos catarinenses diante da pandemia. Aumentou, por exemplo, a parcela da população que considera a situação “muito grave” – de 22,4% em maio para 43,5% em julho no Estado – e também a opinião de que as autoridades devem considerar o aumento das normas restritivas nos próximos dias ou semanas.

Em Santa Catarina, 40,2% concordam com essa estratégia para controlar o contágio da Covid-19s e, com isso, diminuir a pressão sobre o congestionado sistema de saúde. A consulta popular buscou também saber como a população vem agindo nesse período emergencial e o que vem achando sobre a atuação do governo federal, estadual e prefeituras.

Diante do aumento do número de casos e de mortes, e da proximidade do pico da pandemia em todas as regiões, os entrevistados disseram que são contrários à reabertura imediata de diversas atividades, como transporte público (72,2%), escolas (ensino fundamental, 85,9%, e ensino médio, 82,7%), faculdades e universidades (77,7%), além de jogos de futebol (84,3%) e shows/espetáculos/cinema (91,9%).

Ao mesmo, o resultado revela que apenas 5,9% da população está em isolamento total, sem sair à rua. A maioria afirmou estar em quarentena parcial, com saídas inevitáveis (51,4%) e saídas a trabalho (38%).
De modo geral, a população mostrou apreensão com o cenário epidemiológico do Estado, que fechou a semana com 65.017 casos e 844 mortes pela Covid-19, e com medo de agravamento do quadro com eventuais decisões flexibilizadoras.

Depois de uma leve queda em junho (64,9%), também cresceu para 70,1% o índice de preocupação com os problemas gerados pelo vírus à economia do país.

+

Editoriais