Prioridade nas eleições

Em novembro, o Brasil terá a primeira eleição municipal sem as coligações para as candidaturas a vereador – elas continuam permitidas para a escolha de prefeitos (majoritárias), mas os partidos não poderão mais se unir e apresentar chapas únicas para eleger vereadores em todo o País.

Essa nova regra tem como maior implicação o fato de que os partidos maiores terão um alcance eleitoral mais amplo, enquanto os partidos menores e pouco conhecidos terão dificuldades em obter vagas no Legislativo.

Outra mudança será em relação ao número de candidatos. O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) prevê que mais de 700 mil políticos sejam candidatos nas eleições de novembro. Se isso for confirmado, o número será 46% maior do que no pleito municipal de 2016, quando 479 mil candidatos correram.

O grande número de candidatos será mais uma dificuldade para os eleitores. Ter mais concorrentes na disputa não significa mais qualidade. A escolha requer uma avaliação ainda mais criteriosa. Além disso, os eleitores terão que enfrentar longas filas em grande parte das seções eleitorais devido aos protocolos sanitários que o TSE adotará devido ao novo coronavírus. Uma das prioridades do tribunal é evitar aglomerações.

Para isso, o horário de votação deve ser estendido em pelo menos uma hora e que poderá ser reservado um horário especial para idosos com mais de 60 anos, considerados pertencentes ao grupo de risco para a Covid-19.
Outra medida já anunciada pelo TSE foi a exclusão nessas eleições da identificação dos eleitores por biometria.

Por ser um processo mais demorado, foi avaliado que o recurso poderia aumentar as filas nos locais de votação. Por causa da pandemia do novo coronavírus, as datas da eleição foram adiadas para 15 de novembro (primeiro turno) e 29 de novembro (segundo turno).

Como não houve interesse dos Poderes em adiar as eleições para 2022, seremos obrigados, como cidadãos, a comparecer nas urnas. Isso é democracia. Mas em primeiro lugar deve vir a saúde. É fundamental que a presença do eleitor nas seções eleitorais seja feita de forma mais segura possível.

+

Editoriais