Recado em verde e amarelo

Os catarinenses foram às ruas no sábado, dia 1º de maio, vestindo as cores verde e amarelo e transformando o Dia do Trabalhador numa gigantesca festa cívica com recorde histórico de participação. Todos os atos foram pacíficos, sem depredações, sem conflitos.

Faixas e cartazes expressaram a vontade dos manifestantes em apoio ao presidente Jair Bolsonaro e com críticas ao STF (Supremo Tribunal Federal), entre tantas outras bandeiras.

Em Florianópolis, uma barulhenta carreata com mais de 20 quilômetros de extensão, percorreu o Estreito e o Continente, incluindo a Beira-mar Norte, com direito a buzinaço e discursos em defesa do Brasil. Famílias inteiras foram às ruas para dizer “sim, eu autorizo”, respondendo a perguntas feitas por Bolsonaro em seus últimos pronunciamentos.

Nas principais cidades do Estado foram registradas manifestações, todas com o propósito de dar apoio ao presidente eleito pela esmagadora maioria de votos dos catarinenses.

Em alto e bom som, deram um recado ao STF e à classe política – nossos senadores e deputados – de que não estão satisfeitos com os rumos que o país está tomando. Os brasileiros estão fartos das manobras, principalmente praticadas pela Suprema Corte e pelos maus políticos, na tentativa de desestabilizar o presidente e seu governo.

A indignação cresce a cada dia, com a intervenção dos poderes que tentam tomar conta da República. Não satisfeitos em acabar com a Lava Jato e limpar a ficha criminal do ex-presidente Lula, permitindo que possa ser candidato em 2022, o STF obrigou a instalação da CPI da Covid sob o comando de senadores envolvidos com denúncias de corrupção e desvio de dinheiro público.

Em plena pandemia, quando a maioria dos brasileiros deu a sua cota de sacrifício, os políticos e os poderes não abriram mão de seus privilégios, dos salários milionários e da gastança.

Os manifestantes disseram não à injustiça social, à falta de espírito público de nossos governantes e do uso da máquina pública em benefício próprio. O STF, cujos ministros se julgam deuses, rasgam a Constituição ao seu bel-prazer, ignorando a vontade da maioria dos brasileiros. São ditadores de toga, cujo poder não tem limites.

O recado foi dado também para governadores e prefeitos que usam a pandemia para fazer política, que abusaram do lockdown. Para os dirigentes que usaram a Covid-19 embolsando dinheiro, com licitações superfaturadas e escândalos com respiradores nunca entregues.

A indignação foi também para a imprensa militante, que usar seu poder em favor de ideologias que não combinam com a nossa bandeira. O povo ocupou as ruas para dizer basta, para dizer não, para dizer chega! Este Congresso e este STF não representam mais os brasileiros, que exigem mudança de postura, amor ao país e mais respeito à vontade popular.

+

Editoriais