Socorro à economia e controle da pandemia

Treze meses depois do primeiro decreto de lockdown baixado pelo governo do Estado, Santa Catarina discute novas regras para os setores de eventos e de gastronomia, que podem ser definidas na semana que vem durante a próxima reunião do Coes (Centro de Operações de Emergências em Saúde).

Sem dúvida, são os segmentos mais afetados desde março do ano passado por conta das regulamentações para evitar o contágio pelo coronavírus. As limitações impostas pelas medidas restritivas, que variaram conforme as especificidades de cada segmento, quebraram empresas e fecharam postos de trabalho: só na área de bares e restaurantes, a crise dizimou 45 mil vagas no período.

A seccional catarinense da Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) vem pleiteando nas últimas semanas uma mudança no decreto que viabilize o funcionamento dos estabelecimentos. Os empreendedores alegam que as normas em vigor reduzem a receita em até 90% e que, além disso, são ineficazes para combater a Covid-19.

Um dos principais argumentos, e absolutamente pertinente, é de que as medidas que limitam o horário de funcionamento e a venda de álcool deslocam o público para encontros em residências e eventos clandestinos, onde não existem protocolos nem fiscalização.

Ainda mais afetados, pela proibição total das atividades, os empresários do setor de eventos reivindicam a possibilidade de reabertura de casas noturnas, com a volta de shows, eventos sociais, casamentos, formaturas, aniversários e festas infantis. Discutem, principalmente, a redução do público, protocolos para garantir o distanciamento social e a ventilação correta dos ambientes.

É uma discussão delicada, especialmente no momento em que o Estado tem apenas quatro regiões fora do nível gravíssimo para a Covid-19, com números de casos em alta e a rede hospitalar ainda superlotada. Mas é absolutamente necessário que se chegue a um denominador comum que salve a economia de toda essa cadeia produtiva e, ao mesmo tempo, mantenha o controle da gestão sanitária.

+

Editoriais

Editorial

O Brasil está virando um país de golpistas e fraudadores. Durante a pandemia, o número de golpes e f ...