Trânsito consciente

“Perceba o risco, proteja a vida”. Este é o tema da Semana Nacional de Trânsito, que vai até amanhã. Durante o período, ações em todo o país são realizadas pelos órgãos do Sistema Nacional de Trânsito com o objetivo de conscientizar motoristas, passageiros, motociclistas, ciclistas e pedestres.

O foco é chamar a atenção sobre os perigos no trânsito e outros riscos à saúde do cidadão. Apesar das diversas campanhas de conscientização, das leis mais rigorosas e dos veículos cada vez mais seguros, os acidentes matam cerca de 1,25 milhão de pessoas por ano em todo o mundo, e são uma das maiores causas de mortes.

No Brasil, houve uma queda de 7% nas mortes por acidentes de trânsito entre 2015 e 2019. Conforme o DataSUS (Departamento de Informática de Saúde), a redução foi de 43 mil para 30 mil mortes por ano.

Apesar da redução, os dados não podem ser comemorados, pois o trânsito ainda continua abreviando milhares de vidas no país. E são vários os motivos: imprudência, desatenção e despreparo dos motoristas, consumo de bebidas alcoólicas, falta de fiscalização, estradas esburacadas, defeitos mecânicos nos veículos…

Os acidentes não acontecem por acaso, resultam de escolhas inadequadas e arriscadas por parte de condutores e pedestres. Noventa por cento têm motivação em falhas humanas como imperícia, imprudência e desatenção.

A educação é o fator que pode mudar essa realidade. Campanhas educativas são lançadas a cada ano no período da Semana Nacional de Trânsito, mas perdem força quando acabam as ações relacionadas à data.

É preciso que algo mais eficaz atue sobre a consciência dos cidadãos para que mudem o comportamento no trânsito. Somos responsáveis por nossos atos no trânsito e ter consciência disso é o caminho para reverter o triste cenário atual.