Um peso para Florianópolis

Mais uma vez os funcionários da Comcap (Autarquia de Melhoramentos da Capital) prejudicam a população de Florianópolis com outra tentativa de greve. É a quarta vez, somente este ano, que os trabalhadores se mobilizam em curtas paralisações que deixam a cidade sem coleta de lixo e limpeza urbana durante um ou dois dias.

Esse teatro – sim, um teatro porque os funcionários se dizem “desvalorizados” – é arquitetado por um sindicato, que tem feito os trabalhadores da autarquia de massa de manobra, apenas para se manter em evidência, justificando a sua existência. Esse tipo de política sindical hoje não é condizente com a realidade do município de Florianópolis e da grande maioria das cidades catarinenses e brasileiras.

Apesar de a qualidade dos serviços prestados pela Comcap ser reconhecida pela população da Capital, a estrutura da autarquia, com quase 1.500 funcionários e muitas necessidades em termos de equipamentos e modernização, é na verdade um grande peso para o município. Não cabe no atual cenário de gestão e oferta de recursos públicos, além de impor à cidade um atraso na questão do tratamento dos resíduos, se comparado ao que é oferecido em outros municípios que terceirizaram o serviço.

O ND já revelou e denunciou mais de uma vez que alguns funcionários têm supersalários e privilégios. É necessário e urgente a terceirização dos serviços. Não estamos defendendo a demissão dos funcionários, que podem ser aproveitados em outros setores da prefeitura, mas é obvio que além de mais moderno e ambientalmente sustentável, o serviço de coleta de lixo e limpeza urbana ficará muito mais barato para o cidadão. E sem interferência do sindicato.

+

Editoriais