Verão com saúde e segurança

Desde o início da pandemia de coronavírus, em meados de março, Florianópolis vai enfrentar o período mais crítico a partir deste fim de semana, quando começa a alta temporada de verão.

Com o início do recesso na maioria dos órgãos públicos e a chegada de turistas, a tendência é que o movimento fique intenso nas praias. Inevitavelmente, mais gente na Ilha é sinônimo de aglomerações. Foi assim nos feriados prolongados de 7 de setembro, 12 de outubro e 2 de novembro.

Ciente dos riscos de aumento de contágio do coronavírus, devido à já conhecida falta de bom senso de muitas pessoas, que insistem em não cumprir as regras sanitárias e o distanciamento social, a Prefeitura da Capital anunciou uma série de ações para tornar a temporada de verão mais segura para moradores e visitantes.

O plano basicamente consiste na contratação de profissionais de saúde, ampliação da aplicação de testes, no aumento da investigação dos casos, na estruturação da logística de vacinação e na intensificação da fiscalização das medidas sanitárias vigentes, como distanciamento social, uso de máscara e disponibilização de álcool em gel. O objetivo é específico e certeiro: evitar que a temporada de verão agrave ainda mais a crise de saúde pública.

Florianópolis, assim como Santa Catarina, passa por uma fase crítica da doença. Os casos aumentaram, o que reflete na lotação dos leitos de UTI nos hospitais. E a chegada dos visitantes, aliada ao maior número de moradores que, de férias ou folga no fim de ano, vão para as praias, faz crescer o risco de mais contágios.

O Poder Público está fazendo a sua parte. Mas é preciso haver uma contrapartida da população. Respeitar as regras é o primeiro passo para um verão seguro. Dois pontos fundamentais são cumprir o distanciamento nas praias e o uso das máscaras. O bom senso e a conscientização são ingredientes para que todos possam aproveitar o verão com segurança e com saúde.

+

Editoriais