Mural de Wilson das Neves gera ‘caça’ por grafiteiro em Florianópolis

Ilustração que retrata sambista carioca despertou interesse dos moradores do bairro Rio Tavares

Um mural que retrata o sambista Wilson das Neves tem surpreendido a comunidade do bairro Rio Tavares, em Florianópolis. O interesse é tamanho que um morador recorreu ao grupo “Classificados Campeche Rio Tavares”, no Facebook, para ver se alguém sabia o nome do artista que assinou a obra, localizada na Rodovia Dr. Antônio Luiz Moura Gonzaga.

O sambista, morto em 2017 aos 81 anos, foi representado com tons de azul na parede cinza do terreno baldio. Ao lado, o nome do seu maior sucesso, “O Samba É Meu Dom”. O retrato está próximo a um outro grafite, onde se lê “Desconstrua o Preconceito”

Mural localizado no Rio Vermelho, em Florianópolis, feito pelo grafiteiro Pepe Fontanari em abrilEm parede de terreno baldio, no Rio Tavares, Pepe Fontanari grafitou o mestre do samba, Wilson das Neves – Foto: Reprodução/Redes Sociais

“Se alguém souber quem foi o excelente artista que grafitou o grande mestre Wilson das Neves (que Deus o tenha em bom lugar), em frente ao melhor restaurante do Rio Tavares, Asas de Águia, favor entrar em contato”, escreveu um morador, junto a duas fotos da obra de arte.

A reportagem não conseguiu contato com o autor da publicação, por isso optou por não divulgar o nome. O post contou com mais de 100 curtidas, e diversos comentários de moradores tão curiosos quanto o primeiro. Até que o morador que disponibilizou a parede e fez o convite, deu o nome artístico do grafiteiro: Pepe Fontanari.

“Era uma ideia que eu já vinha alimentando. Queria fazer pinturas com os trechos de samba que gosto”, conta Fontanari. Além de sonho pessoal, ele quer também difundir e enaltecer o samba. “Tenho muito orgulho. Se os moradores não souberem quem é o Wilson e forem atrás, já está valendo”.

O grafiteiro, que atua também como tatuador e ilustrador, mora desde novembro em Florianópolis. Até então, tinha realizado três murais na Capital, todos contratados comercialmente. Desta vez juntou os restos de material e fez a pintura por pura recreação, em meados de abril.

“Foi o primeiro trampo que fiz na cidade na linha ‘vai lá e faz o que quiser’. Foi muito engraçado, porque logo no primeiro já aconteceu tudo isso. Fiquei até assustado”, conta Fontanari, aos risos. Antes ele morava no interior do Rio Grande do Sul, onde também fazia murais.

Outro fator que o surpreendeu foi o fato dos moradores de Florianópolis reconhecerem Wilson das Neves, autor de grandes sucessos como “O Dia Em Que O Morro Descer e Não For Carnaval”, “Grande Hotel”  e “Se Me Chamar, Ô Sorte” – mas pouco difundida na Capital catarinense.

O mural foi realizado em meados de abril – Foto: Reprodução/Redes SociaisO mural foi realizado em meados de abril – Foto: Reprodução/Redes Sociais

O autor do post se encontrou com Pepe nesta segunda (24). Carioca e amante do samba, também não esperava ver o conterrâneo retratado no Sul da Ilha. Ainda não há nada definido, mas ele quer que Fontanari faça uma nova obra – e, quem sabe, retrate um novo nome do samba.

Para Pepe, o grande valor do grafite é estar ao acesso de todos. “Isso que me atraí no muralismo, é democrático”. De forma parecida, no sucesso escrito no mural, Neves define o samba, feito  “no terreiro, na rua, no bar, gafieira e salão”.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
Loading...