Alexandre Garcia

Jornalista com décadas de atuação na TV e rádio, como apresentador, repórter, comentarista e diretor de jornalismo. A coluna aborda temas do cotidiano, entre eles comportamento, política e economia.


Bandeira e eleição

No grupo escolar, ainda nos anos 40, hasteávamos e arriávamos a bandeira todos os sábados, cantando o Hino Nacional e o Hino a Bandeira

A juíza gaúcha que ameaçou proibir a bandeira nacional e a cantora brasileira, que num palco californiano pisoteou a bandeira de seu próprio país, levaram para o topo das atenções nas redes sociais o nosso símbolo nacional.

Ainda menino, via meu avô hastear a bandeira na fachada de casa em todos os feriados nacionais e durante a semana da pátria; no grupo escolar, ainda nos anos 40, hasteávamos e arriávamos a bandeira todos os sábados, cantando o Hino Nacional e o Hino a Bandeira – que tem letra de Olavo Bilac.

Bandeira do Brasil – Foto: PixabayBandeira do Brasil – Foto: Pixabay

Eu ainda não tinha dois anos de idade e Sílvio Caldas gravava Fibra de Herói, com simples e bela letra do poeta Theófilo Barros Filho e música do consagrado maestro Guerra Peixe.Hoje os quartéis adotaram a vibrante Fibra de Herói, que tem por estribilho “Bandeira do Brasil/Ninguém te manchará/Teu povo varonil/Isso não permitirá”. Na época, o mundo estava em guerra, mas o Brasil ainda não, embora naquele ano tenha sido afundado o 13º mercante brasileiro.

Hoje há uma quase guerra por causada eleição de outubro e ações contra a bandeira têm causado indignação ou indiferença. Eu me senti pisoteado. Cheguei a tuitar que a cantora pisoteava meus avós, meus pais, meus filhos – todos simbolizados pelo auri-ver de pendão da esperança, do poema de Castro Alves. Porque ela simboliza todos nós, brasileiros – os vivos, os mortos e os que vão nascer. Li que a cantora fora beneficiada com R$ 1,9 milhão da Lei Rouanet em 2011, quando a tia dela era ministra da Cultura. Assim, ela não pisoteava abandeira, mas esperneava sobre o símbolo do Brasil.

A juíza gaúcha, coitada, recebeu um chega-pra-lá do TRE; a cantora alega que se arrependeu no momento seguinte, passando atestado de ciclotimia grave. Elas não têm noção sobre os valores da nacionalidade, as raízes que nos unem num país. Os símbolos são importantes. As pessoas os têm, as famílias, as empresas, as religiões, os clubes esportivos.

E o nosso símbolo maior é a bandeira,como é a Constituição, como lei maior. Pisotear uma e outra são agressões a todos nós. São amálgamas, que nos unem, numa época em que parece haver no ocidente um movimento que visa à separação, ao apartheid, quem sabe para nos enfraquecer. Divide et impera. Ou seja, fracciona uma nação, separando seus nacionais, para facilitar a tomada do poder e impor a vontade do conquistador.

A bandeira tem quatro cores. As cores dos brasileiros têm todos os tons de pele, numa mistura genética que formou uma gente bonita, graciosa, bondosa, muito especial, a ocupar esse país-continente tropical. Quando estudávamos nossos heróis, no grupo escolar, Marcílio Dias me impressionava, porque defendeu a bandeira que os inimigos queriam arrancar do mastro de seu navio.

E morreu misturando seu sangue com as cores do pavilhão sagrado, verde-e-amarelo. A juíza e a cantora que atacaram a bandeira servem para sacudir nossas consciências a lembrar que somos todos guarda bandeiras e que a indiferença de muitos mostra que o nosso símbolo maior – que nos une na união que faz aforça – está esquecido nas escolas e talvez em nossas casas.

Loading...