Crivella tem processo de impeachment negado por câmara

Prefeito carioca era acusado de improbidade administrativa por manter servidores públicos ao redor de hospitais municipais com a missão de impedir o trabalho da imprensa

A Câmara Municipal do Rio de Janeiro rejeitou nesta quinta-feira (3) por 25 votos a 23 (três não votaram), a abertura de processo de impeachment do prefeito Marcelo Crivella (Republicanos), pré-candidato à reeleição.

Ele era acusado de cometer improbidade administrativa por manter servidores públicos ao redor de hospitais municipais com a missão de impedir o trabalho da imprensa e evitar reportagens sobre eventuais problemas nas unidades de saúde.

Crivella ficou em alta nas redes sociais após ser acusado de pagar “guardiões” ilicitamente – Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil/ND

Para aprovação do início do processo bastava maioria simples, mas a proposta foi derrotada.

A votação no painel terminou registrando 25 votos a 22, mas um último vereador se manifestou depois, aumentando para 23 o grupo derrotado. Com isso, o pedido de abertura de processo de impeachment foi arquivado.

O pedido de impeachment foi apresentado pela deputada estadual e pré-candidata a prefeitura do Rio Renata Souza (PSOL), que protocolou o documento na última terça-feira (1º).

Devido à pandemia da Covid-19, a sessão foi semipresencial – alguns vereadores foram ao plenário e a maioria participou virtualmente.

+

Política Brasileira