Luis Ernesto Lacombe

Opinião contundente sobre o cenário político brasileiro. Escreve todas as sextas-feiras


Condenados ao caos

É ingênua ou mal-intencionada a mídia que enxerga em todo criminoso, bem lá no fundo, uma alma boa, pronta para se regenerar

É quase criminosa a mente que transforma bandidos em “vítimas da sociedade”. É ingênua ou mal-intencionada a mídia que enxerga em todo criminoso, bem lá no fundo, uma alma boa, pronta para se regenerar. Pois há um ponto em que não dá mesmo para voltar, em que o mal se instala, invade, toma os órgãos, principalmente os vitais.

Espírito fraco, índole ruim, o olhar de quem olha e não vê, de quem não tem emoção, só frieza, cinismo, maldade… É de desprezo que se alimentam os traficantes, desprezo pelos outros e até por eles próprios.

Ladrão – Foto: PixabayLadrão – Foto: Pixabay

São terroristas, opressores cruéis, praticam todo tipo de violência, massacram as pessoas de bem, agridem, humilham, fazem extorsão, invadem casas, aliciam menores… A estrutura de labirintos das favelas é seu esconderijo quase perfeito, com muitas rotas de fuga.

Um espaço sequestrado, com toda sua gente honesta e trabalhadora. São milhões de reféns de traficantes por todo país. A população de bem como escudo, a população de bem amedrontada e oprimida.

A imprensa, de um modo geral, tenta emplacar a ideia de que os moradores são, na verdade, reféns da polícia e defende a retirada de todas as forças de segurança das favelas. Foi o que fez Brizola, quando chegou ao poder no Rio de Janeiro, em 1983: “No meu governo, polícia não sobe morro e não entra em favela”. Deu no que deu.

O tráfico de drogas criou seus feudos, se fortaleceu, se encastelou de vez… Em 2020, os criminosos ainda ganharam uma força do Supremo Tribunal Federal, que também proibiu as operações policiais nas comunidades do Rio durante o combate à Covid, numa “política de segurança pública”, além de tudo, sem amparo na lei.

Procure na imprensa reportagens, editoriais, artigos que defendam o endurecimento do tratamento com os criminosos ou a restrição de seus direitos. Será difícil encontrar. Esse tipo de conteúdo não representa nem 1% de todo material jornalístico veiculado.

A morte de um policial em serviço também parece não merecer espaço… Se um morador da favela, um inocente é morto por um tiro disparado por um traficante, a pauta é fraca, acaba descartada ou é relatada em poucas linhas.

Agora, se há indicação de que o tiro foi disparado por um policial, a pauta se impõe, a produção se movimenta, a reportagem vai a campo, capricham na edição, nos comentários emocionados nos telejornais, antes mesmo da conclusão das investigações.

Claro que o combate à criminalidade deve se dar em várias frentes, no trabalho de inteligência, de investigação criminal, no policiamento ostensivo, nas operações policiais, inclusive em favelas… Se há elementos para a deflagração de uma operação policial, ela deve ser feita. Se os policiais são atacados, eles devem reagir.

Suas vidas têm sacrifícios e riscos que pouca gente poderia suportar. Possíveis excessos e erros devem ser investigados. E, com toda firmeza, a inversão de valores deve ser rechaçada, ou estaremos, todos nós, condenados ao caos.

Loading...