DEM decide ficar neutro, mas se aproxima de Bolsonaro e critica PT

Partido, no entanto, mantém desconfiança em relação aos planos políticos de Bolsonaro

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O DEM decidiu ficar neutro no segundo turno da corrida presidencial. A maioria dos integrantes do partido deve apoiar Jair Bolsonaro (PSL), mas a sigla preferiu não fazer uma adesão formal à candidatura.

O comando da legenda emitiu nota em que faz duras críticas ao PT e expõe um alinhamento com a plataforma de Bolsonaro.

O texto, entretanto, anuncia que os filiados estarão livres para tomar qualquer posição no segundo turno entre o candidato do PSL e Fernando Haddad (PT).

Candidato aguarda liberação médica para intensificar campanha - Tânia Rêgo/Agência Brasil
Presidente da sigla, ACM Neto (BA), deve anunciar voto em Bolsonaro – Tânia Rêgo/Agência Brasil

“Nosso partido assume o compromisso de contribuir com a construção do novo Brasil, um país completamente diferente daquele que nos foi legado pelo PT nos últimos anos”, afirma a nota. “Neste novo tempo que se anuncia, não cabem invasão e destruição de propriedades, e muito menos mensalão ou petrolão.”

O presidente da sigla, ACM Neto (BA), deve anunciar voto em Bolsonaro.

O governador eleito de Goiás, Ronaldo Caiado, pretende viajar ao Rio nesta quarta-feira (10) para se reunir com o presidenciável.

Bolsonaro chegou a pedir o apoio formal do DEM em conversa por telefone com a cúpula do partido na terça-feira (9).

Ao fim das negociações, os dois lados decidiram que a neutralidade era o melhor caminho.

Tanto dirigentes do DEM quanto aliados de Bolsonaro acreditam que uma adesão formal poderia trazer desgastes tanto para a sigla (que ainda tem dúvidas sobre o candidato) quanto para o presidenciável (que construiu uma imagem de afastamento em relação aos partidos tradicionais).

O DEM mantém desconfiança em relação aos planos políticos de Bolsonaro.

O partido quer lançar o deputado Rodrigo Maia (RJ) à reeleição para a presidência da Câmara, mas Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidenciável, já manifestou interesse em concorrer ao posto.

O provável articulador político de Bolsonaro em um eventual governo deverá ser Onyx Lorenzoni (RS), do DEM. Ele participou das negociações sobre um possível apoio da sigla ao candidato.

Por enquanto, o DEM prefere tratar a provável nomeação de Onyx para a vaga como uma escolha pessoal de Bolsonaro.

Não houve, até o momento, negociações de cargos entre o partido e a equipe do presidenciável do PSL.

No primeiro turno, o DEM apoiou a candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB), que ficou em quarto lugar na disputa.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Eleições nacionais

Loading...

DEM decide ficar neutro, mas se aproxima de Bolsonaro e critica PT

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O DEM decidiu ficar neutro no segundo turno da corrida presidencial. A maioria dos integrantes do partido deve apoiar Jair Bolsonaro (PSL), mas a sigla preferiu não fazer uma adesão formal à candidatura.

O comando da legenda emitiu nota em que faz duras críticas ao PT e expõe um alinhamento com a plataforma de Bolsonaro.

O texto, entretanto, anuncia que os filiados estarão livres para tomar qualquer posição no segundo turno entre o candidato do PSL e Fernando Haddad (PT).

“Nosso partido assume o compromisso de contribuir com a construção do novo Brasil, um país completamente diferente daquele que nos foi legado pelo PT nos últimos anos”, afirma a nota. “Neste novo tempo que se anuncia, não cabem invasão e destruição de propriedades, e muito menos mensalão ou petrolão.”

O presidente da sigla, ACM Neto (BA), deve anunciar voto em Bolsonaro.

O governador eleito de Goiás, Ronaldo Caiado, pretende viajar ao Rio nesta quarta-feira (10) para se reunir com o presidenciável.

Bolsonaro chegou a pedir o apoio formal do DEM em conversa por telefone com a cúpula do partido na terça-feira (9).

Ao fim das negociações, os dois lados decidiram que a neutralidade era o melhor caminho.

Tanto dirigentes do DEM quanto aliados de Bolsonaro acreditam que uma adesão formal poderia trazer desgastes tanto para a sigla (que ainda tem dúvidas sobre o candidato) quanto para o presidenciável (que construiu uma imagem de afastamento em relação aos partidos tradicionais).

O DEM mantém desconfiança em relação aos planos políticos de Bolsonaro.

O partido quer lançar o deputado Rodrigo Maia (RJ) à reeleição para a presidência da Câmara, mas Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidenciável, já manifestou interesse em concorrer ao posto.

O provável articulador político de Bolsonaro em um eventual governo deverá ser Onyx Lorenzoni (RS), do DEM. Ele participou das negociações sobre um possível apoio da sigla ao candidato.

Por enquanto, o DEM prefere tratar a provável nomeação de Onyx para a vaga como uma escolha pessoal de Bolsonaro.

Não houve, até o momento, negociações de cargos entre o partido e a equipe do presidenciável do PSL.

No primeiro turno, o DEM apoiou a candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB), que ficou em quarto lugar na disputa.

+

Política

Loading...