Presidente do PSOL critica citação ao partido em caso de atentado

Segundo Juliano Medeiros, o crime "não tem motivação política" e o autor "demonstra claro desequilíbrio emocional"

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O presidente do PSOL, Juliano Medeiros, reclamou do fato de a imprensa continuar noticiando que o autor do atentado contra o deputado e presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) pertenceu ao partido.  

Para o presidente do PSOL, Juliano Medeiros, o autor do crime contra Bolsonaro
Para o presidente do PSOL, Juliano Medeiros, o autor do crime contra Bolsonaro “demonstra claro desequilíbrio emocional” – PSOL/Divulgação/ND

“Arte da imprensa continua mencionando o fato do autor do atentando contra Bolsonaro ter sido filiado ao PSOL. Com que objetivo? Apenas para jogar a opinião pública contra a esquerda? Esquecem que também fomos vítimas da violência com a morte de Marielle? Sejam responsáveis”, escreveu no Twitter.

Ele afirmou que o crime “evidentemente, não tem motivação política”.

“O autor, que não é filiado a qualquer agremiação, demonstra claro desequilíbrio emocional. Politizar um crime que não é político é desonestidade, não vai colar”, escreveu.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Eleições nacionais

Loading...

Presidente do PSOL critica citação ao partido em caso de atentado

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O presidente do PSOL, Juliano Medeiros, reclamou do fato de a imprensa continuar noticiando que o autor do atentado contra o deputado e presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) pertenceu ao partido.

“Arte da imprensa continua mencionando o fato do autor do atentando contra Bolsonaro ter sido filiado ao PSOL. Com que objetivo? Apenas para jogar a opinião pública contra a esquerda? Esquecem que também fomos vítimas da violência com a morte de Marielle? Sejam responsáveis”, escreveu no Twitter.

Ele afirmou que o crime “evidentemente, não tem motivação política”.

“O autor, que não é filiado a qualquer agremiação, demonstra claro desequilíbrio emocional. Politizar um crime que não é político é desonestidade, não vai colar”, escreveu.

+

Política

Loading...