Promotoria vai investigar desapropriação de áreas de familiares de Alckmin

Inquérito foi instaurado para investigar supostas irregularidades nos dois decretos do então governador Geraldo Alckmin (PSDB), que levaram a desapropriações de terrenos envolvendo familiares dele

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O Ministério Público de São Paulo instaurou nesta segunda-feira (24) um inquérito para investigar supostas irregularidades nos dois decretos do então governador Geraldo Alckmin (PSDB), hoje candidato à Presidência da República, que levaram a desapropriações de terrenos envolvendo familiares dele.

O caso, que rendeu a eles ao menos R$ 3,8 milhões, foi revelado pelo jornal Folha de S.Paulo no dia 16. Os decretos, editados em 2013 e 2014, atingiram Othon Cesar Ribeiro, sobrinho de Alckmin, e Juliana Fachada Cesar Ribeiro, hoje sua ex-mulher e mãe de seus quatro filhos, para a construção de uma polêmica rodovia em São Roque (SP).

O promotor Marcelo Milani pediu a abertura da investigação e deu um prazo de 20 dias para que Alckmin, o sobrinho e a concessionária se manifestem sobre as acusações. O tucano afirmou, por meio de sua assessoria, que não interferiu no traçado da obra em São Roque e que é “descabida e ofende o bom senso” a ideia de que o processo de desapropriação foi conduzido “apenas para beneficiar parentes do ex-governador”.

Alckmin disse também que assinou centenas de decretos de utilidade pública e de desapropriação, “todos eles amparados em pareceres técnicos dos órgãos responsáveis e em parecer jurídico da Procuradoria Geral do Estado”, segundo nota de sua assessoria.

Nesta segunda (24), durante caminhada de campanha pela Tijuca, na zona norte do Rio de Janeiro, ele questionou a decisão do Ministério Público de São Paulo pela abertura do inquérito. “Aliás, é sempre estranho a 14 dias da eleição abrir inquérito. Coisa sem menor sentido, não tem nenhum parente meu com terra naquela área”, afirmou Alckmin.

Othon Cesar Ribeiro, que é parte em uma das ações, é filho de Adhemar Ribeiro (irmão da ex-primeira dama Lu), cunhado de Alckmin citado em delações como arrecadador de caixa dois para campanhas do candidato. Ex-mulher dele, Juliana Fachada Ribeiro diz que teve prejuízo porque poderia ganhar mais com exploração de empreendimento imobiliário.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.

Promotoria vai investigar desapropriação de áreas de familiares de Alckmin

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O Ministério Público de São Paulo instaurou nesta segunda-feira (24) um inquérito para investigar supostas irregularidades nos dois decretos do então governador Geraldo Alckmin (PSDB), hoje candidato à Presidência da República, que levaram a desapropriações de terrenos envolvendo familiares dele.

O caso, que rendeu a eles ao menos R$ 3,8 milhões, foi revelado pelo jornal Folha de S.Paulo no dia 16.

Os decretos, editados em 2013 e 2014, atingiram Othon Cesar Ribeiro, sobrinho de Alckmin, e Juliana Fachada Cesar Ribeiro, hoje sua ex-mulher e mãe de seus quatro filhos, para a construção de uma polêmica rodovia em São Roque (SP).

O promotor Marcelo Milani pediu a abertura da investigação e deu um prazo de 20 dias para que Alckmin, o sobrinho e a concessionária se manifestem sobre as acusações.

O tucano afirmou, por meio de sua assessoria, que não interferiu no traçado da obra em São Roque e que é “descabida e ofende o bom senso” a ideia de que o processo de desapropriação foi conduzido “apenas para beneficiar parentes do ex-governador”.

Alckmin disse também que assinou centenas de decretos de utilidade pública e de desapropriação, “todos eles amparados em pareceres técnicos dos órgãos responsáveis e em parecer jurídico da Procuradoria Geral do Estado”, segundo nota de sua assessoria.

Nesta segunda (24), durante caminhada de campanha pela Tijuca, na zona norte do Rio de Janeiro, ele questionou a decisão do Ministério Público de São Paulo pela abertura do inquérito.

“Aliás, é sempre estranho a 14 dias da eleição abrir inquérito. Coisa sem menor sentido, não tem nenhum parente meu com terra naquela área”, afirmou Alckmin.

Othon Cesar Ribeiro, que é parte em uma das ações, é filho de Adhemar Ribeiro (irmão da ex-primeira dama Lu), cunhado de Alckmin citado em delações como arrecadador de caixa dois para campanhas do candidato.

Ex-mulher dele, Juliana Fachada Ribeiro diz que teve prejuízo porque poderia ganhar mais com exploração de empreendimento imobiliário.

+

Política