Em ato fora da agenda oficial, Bolsonaro empossa Marcelo Queiroga como ministro da Saúde

Médico cardiologista é o quarto a ocupar o cargo no Ministério da Saúde neste governo; nomeação deve ser publicada no Diário Oficial da União ainda nesta terça (23)

Após um impasse que envolvia o destino de Eduardo Pazuello, o presidente Jair Bolsonaro empossou o médico cardiologista Marcelo Queiroga, como novo ministro da Saúde, nesta terça-feira (23). Queiroga é o quarto a ocupar o cargo no governo do presidente.

Comissão de Assuntos Sociais (CAS) realiza audiência pública interativa para tratar sobre o PLS 264/2017 que altera a Lei que dispõe sobre as condições para promoção, proteção e recuperação da saúde.Mesa:técnico do Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Gustavo Laine Araújo de Oliveira;diretor de Avaliação de Tecnologia em Saúde da Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista (SBHCI), Marcelo Antônio Cartaxo Queiroga Lopes.Foto: Geraldo Magela/Agência SenadoComissão de Assuntos Sociais (CAS) realiza audiência pública interativa para tratar sobre o PLS 264/2017 que altera a Lei que dispõe sobre as condições para promoção, proteção e recuperação da saúde.Mesa:técnico do Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Gustavo Laine Araújo de Oliveira;diretor de Avaliação de Tecnologia em Saúde da Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista (SBHCI), Marcelo Antônio Cartaxo Queiroga Lopes.Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

A oficialização da troca ocorreu em cerimônia reservada no gabinete do presidente e o ato sequer constava na agenda oficial do presidente. A nomeação deve ser publicada em edição no Diário Oficial da União ainda nesta terça.

Queiroga foi anunciado como novo chefe da pasta na última segunda-feira (15), após a explosão de novos casos e de mortes por causa da Covid-19 no país. Sua nomeação era esperada para o dia seguinte, mas não ocorreu. Como revelou reportagem do Estadão, a posse de Queiroga ainda estava travada porque antes era preciso que ele se desvinculasse de empresas das quais é sócio.

Além da ligação de Queiroga com as empresas, o destino do agora ex-ministro Eduardo Pazuello também travava a oficialização da mudança no comando da pasta. Uma das possibilidades em discussão no governo é Pazuello assumir a Secretaria Especial do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), que deve sair da Economia e ir para o guarda-chuva da Secretaria-Geral da Presidência.

+

Política Brasileira