Após chamar Bolsonaro de “genocida”, Felipe Neto irá depor por Crime de Segurança Nacional

O YouTuber e influencer não voltou atrás e afirmou que o filho do presidente não o "assusta com seu autoritarismo"; queixa-crime se baseia em "crime contra a segurança nacional"

Por meio de suas redes sociais, o YouTuber Felipe Neto relatou que foi intimido pela polícia para responder por “crime contra a segurança nacional após ter chamado o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de “genocida”.

Além dele, a atriz Bruna Marquezine também foi alvo da denúncia de Carlos, pois a atriz global teria difamado o presidente.

Felipe Neto; Bolsonaro; Genocida; Crime; SegurançaHashtag “BolsonarGenocida” tomou os trending topics após a postagem de Felipe Neto – Foto: Reprodução/Twitter/ND

A queixa-crime foi aberta pelo filho do presidente, o vereador da Câmara carioca, Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ).

Segundo o YouTuber, Carlos Bolsonaro realizou a queixa ao mesmo delegado que teria indiciado Felipe por “corrupção de menores”.

“A clara tentativa de silenciamento se dá pela intimidação. Eles querem que eu tenha medo, que eu tema o poder dos governantes. Já disse e repito: um governo deve temer seu povo, NUNCA o contrário. Carlos Bolsonaro, você não me assusta com seu autoritarismo”, disse Felipe Neto em suas redes sociais.

A justificativa do YouTuber é de que a suposta negligência do presidente da república o faria merecedor da atribuição de “genocida”.

Felipe Neto também citou um caso anterior, em que o STJ (Superior Tribunal de Justiça) arquivou processo de crime contra a segurança nacional por críticas ao presidente, também em virtude da atribuição do termo “genocida”.

Carlos Bolsonaro, por sua vez, fez uma postagem usando uma imagem em que a atriz aparece nua na série Nada Será Como Antes, e outra do YouTuber fazendo uma careta. O vereador citou o Art. 138 do Código Penal, que prevê pena de 6 meses até dois anos por caluniar alguém falsamente.

“Carlos Bolsonaro abriu queixa-crime contra mim e Bruna Marquezine por xingarmos o presidente. Para divulgar a notícia, ele utilizou uma foto da Bruna nua, num trabalho de dramaturgia, com os seios cobertos por estrelinhas vermelhas, dando a ela uma conotação sexual de maneira rasteira, vergonhosa”, respondeu Felipe Neto.

“Carlos, um recado pra você: eu enfrento essa articulação do ódio há muito tempo. Você não me amedronta. Não é só a razão que está ao meu lado, mas também mais de 41 milhões de pessoas. Vocês podem botar medo em quem não tem como se defender, mas aqui não tem essa. Estamos prontos para todo tipo de covardia do lado de vocês e não vamos nos calar em função dessas tentativas nojentas de silenciamento. Os governantes devem temer seu povo, NUNCA o contrário. Nós vamos vencer”, completou.

“Bolsonaro Genocida” nos trendings após tweet de Felipe Neto

Após a repercussão do caso, a hashtag #BolsonaroGenocida ficou no primeiro lugar entre os assuntos mais comentados do Twitter.

Diversas personalidade se dividiram entre prestar apoio ou tecer críticas ao YouTuber.

“Embora eu esteja bloqueado por ele, deixo a solidariedade aqui. Ele pode contar com meu apoio e ajuda no que precisar”, disse o humorista Danilo Gentili.

O blogueiro bolsonarista Allan dos Santos afirmou que “temos uma ativista, um deputado e um jornalista PRESOS sem crime e sem o DEVIDO ORDENAMENTO JURÍDICO. Talvez ele entenda agora o que isso significa. Algumas pessoas só entendem assim”, se referindo às últimas decisões do STF (Supremo Tribunal Federal), que incluem a prisão do Deputado Federal Daniel Silveira (PSL-RJ).

+

Política Brasileira