Altair Magagnin

altair.magagnin@ndmais.com.br Não é só sobre política. É sobre o impacto das decisões públicas na tua vida. Jornalista profissional com experiência multimídia, acompanha os bastidores do poder e traz análises e notícias exclusivas. Siga @altamagagnin nas redes.


Gastos dos deputados federais de SC com cotão passam de R$ 25 milhões em quatro anos

Verba é direito dos parlamentares, mas reflexão é que valores possam ser reduzidos a partir desta legislatura

Os vinte deputados federais catarinenses – incluindo titulares e suplentes que se reversaram nas 16 cadeiras que o Estado tem direito na Câmara – custaram pouco mais de R$ 25 milhões durante os quatro anos de mandato. Esse valor se refere ao “cotão”, o dinheiro ao qual os parlamentares têm direito para a manutenção do gabinete, contas telefônicas, além de reembolsos com alimentação e deslocamentos, sejam de carro ou de avião. Não entra nesta conta o salário recebido, nem os auxílios.

O campeão de gastos do “cotão” nos últimos quatro anos foi o deputado Pedro Uczai (PT), com R$ 1,912 milhão em ressarcimento de despesas. Uczai foi reeleito. O segundo lugar é de outro petista, Décio Lima, R$ 1,900 milhão. Candidato ao governo estadual, Lima ficou em quarto lugar. O pódio fecha com Ronaldo Benedet (MDB), que gastou R$ 1,887 milhão. O emedebista concorreu à reeleição, mas não conseguiu a vaga. Considerando os titulares, Jorge Boeira (PP) foi o que menos gastou R$ 367 mil. O parlamentar não concorreu nas eleições passadas.

Pelo menos 13 deputados gastaram mais de R$  1 milhão. Dinheiro suficiente para atender muitas das necessidades da população que espera serviços melhores na Saúde, na Educação, obras de Infraestrutura, ou até mesmo estradas decentes para poder trafegar. O “cotão” é um direito dos deputados, não está em xeque a sua legalidade. A reflexão que se faz é se continua sendo oportuno um gasto tão exorbitante. O levantamento feito entre os anos de 2015 e 2018 serve de alerta para os deputados que assumiram cargos em 2019, sejam reeleitos ou estreantes, é necessário racionalizar o uso do dinheiro público, em especial quando serve para pagar privilégios isolados. 

Gasto dos deputados federais com “cotão”

Valores entre fevereiro de 2015 e janeiro de 2019 

PEDRO UCZAI (PT) – R$ 1.912.421,29

DÉCIO LIMA (PT) – R$ 1.900.385,60

RONALDO BENEDET (MDB) – R$ 1.887.399,03

MARCO TEBALDI (PSDB) – R$ 1.884.123,39

CELSO MALDANER (MDB) – R$ 1.792.770,30

JORGINHO MELLO (PR) – R$ 1.733.740,64

GEOVANIA DE SÁ (PSDB) – R$ 1.642.223,92

VALDIR COLATTO (MDB) – R$ 1.573.890,98

JOÃO RODRIGUES (PSD) – R$ 1.491.476,69

ESPERIDIÃO AMIN (PP) – R$ 1.422.419,79

ROGÉRIO PENINHA MENDONÇA (MDB) – R$ 1.353.902,20

MAURO MARIANI (MDB) – R$ 1.322.672,44

CARMEN ZANOTTO (PPS) – R$ 1.294.665,21

JOÃO PAULO KLEINÜBING (PSD)* – R$ 953.186,26

CESAR SOUZA (PSD)* – R$ 935.289,08

EDINHO BEZ (MDB)** – R$ 921.274,34

ANGELA ALBINO (PCdoB)** – R$ 501.753,55

JORGE BOEIRA (PP) – R$ 367.963,13

FABRICIO OLIVEIRA (PSB)** – R$ 125.232,53

OSVALDO MAFRA (PSB)** – R$ 65.836,24

TOTAL – R$ 25.082.626,61 

*Deixou cargo para ocupar secretaria de Estado

**Suplente que assumiu na ausência do titular 

FONTE: PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS. INFORMAÇÕES APURADAS NA SEXTA-FEIRA, DIA 8.

Loading...