Rodrigo Constantino

Ele se define como "um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda politicamente correta".


Imagina se fosse Bolsonaro…

Podemos apenas imaginar a reação da imprensa se fosse aquele caso hipotético de Bolsonaro com milicianos

O contador de confiança de Jair Bolsonaro, amigo de sua família há anos, está sob investigação por lavagem de dinheiro de milícias assassinas no Rio de Janeiro. Essa notícia é falsa, mas algo muito similar é verdadeiro: contador de confiança da família de Lula há mais de dez anos, João Muniz Leite é alvo de investigação do Departamento Estadual de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) de São Paulo por suspeita de lavagem de dinheiro da organização criminosa PCC.

O presidente Jair Bolsonaro – Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil/NDO presidente Jair Bolsonaro – Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil/ND

Muniz Leite e a mulher, segundo reportagem do Estadão, ganharam 55 vezes em loterias federais, somente no ano passado. Em uma das premiações, ele dividiu prêmio de R$ 16 milhões com o traficante Anselmo Becheli Santa Fausta, conhecido como Cara Preta, um dos principais fornecedores de drogas do PCC, assassinado em dezembro último. O Denarc pediu à Justiça a prisão e o sequestro de bens de Muniz Leite.

Muniz Leite fez declarações do Imposto de Renda do ex-presidente Lula entre 2013 e 2016 e deu apoio contábil na defesa contra acusações da Lava Jato. Além disso, o endereço de seu escritório, no bairro Pinheiros, em São Paulo, é o mesmo onde Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, filho do ex-presidente, mantém três empresas. Tudo muito suspeito e próximo do ex-presidente.

Podemos apenas imaginar a reação da imprensa se fosse aquele caso hipotético de Bolsonaro com milicianos. Mas como se trata de Lula, os jornalistas desconversam, mudam de assunto, voltam a falar da morte dos ativistas na Amazônia. Não querem nem saber de uma possível ligação tão nefasta assim entre Lula, seu contador e traficantes do PCC.

A esquerda acusa os outros daquilo que faz, e existe uma espécie de salvo-conduto para ela. Basta pensar em como o ministro Alexandre de Moraes tem perseguido bolsonaristas com a narrativa de “milícias digitais”, sem qualquer evidência concreta de sua existência, enquanto passa batido a criação de uma verdadeira “brigada digital” por parte da CUT para ajudar seu companheiro Lula.

Conforme até a Folha de SP é obrigada a reconhecer, a organização das chamadas brigadas digitais pela CUT, em que pessoas são chamadas a criarem grupos de WhatsApp e cadastrá-los junto à entidade para envio de materiais a favor do ex-presidente Lula, abre margem para discussão sobre ocorrência de doação irregular de entidade sindical para campanha eleitoral.

O deputado Paulo Eduardo Martins protocolou representação junto à PGE para investigar as “brigadas digitais” da CUT em favor da campanha de Lula. No dia seguinte a CUT mudou o tom e disse não ser nada além de grupos de WhatsApp. Mas, como fica claro, a esquerda faz o que denuncia no adversário. E fica por isso mesmo. Imagina se fosse Bolsonaro!

Loading...